Romance em forma de Poesia

livro-janela-do-sonho-patricia-bins-421011-MLB20450829787_102015-F

O livro de 1986 Janela do Sonho, da autora Patricia Bins, com 144 páginas, pode ser lido solo, mas é o último volume da Trilogia da Solidão. Li apenas este, porque estou tentando ler mais autores nacionais contemporâneos. Ela tem uma forma poética/dramática de contar a história da derrocada da família de Maria, o abandono de seu marido, o suicídio de sua filha, o casamento fracassado de seu filho, a revolução nas ruas de seu bairro e sua casa caindo aos pedaços. A capa é um óleo sobre tela de Ado Malagoli. Não combina com a história, mas é bela.

Trechos do livro: “…parei desde criança para a luta, para a conquista de posições justas e humanas. Filho de gente humilde, conheci na carne o câncer social…talvez por isso ainda não tenha tido tempo de amar uma única mulher. Não acredito em casamento  institucional ou em “tradição, família e propriedade” nos moldes atuais.”

As Lendas e suas inspirações

834685

Existe uma forma de escrita chamada “Remix Literário”, onde li a respeito no blog Remix do Leonardo Villa-Forte.  São recortes de textos originais que se transformam em um outro texto. Uma recriação.  Uma mesma história contada sobre outro ponto de vista. Inspiração. Até que ponto uma história é original? Ao escrever alguma coisa, bebemos na fonte da nossa memória, formada por tudo aquilo que lemos, que ouvimos, que assistimos… Neste link também cita grandes autores que usaram essa forma de escrita.

No livro A Caverna de Cristal, de Mary Stewart, de 1970 com 477 páginas, temos a Lenda de Merlin em 4 páginas. Está no final do livro, porque conta TODA a história do livro. O que a autora fez foi “rechear” essa lenda com detalhes e transformar em livro. Em nota da própria autora, ela conta em que fonte buscou sua inspiração.

É mais uma história de cavaleiros e guerras e magos. E um leve romance. Um livro juvenil, mas com uma pegada de aventura e recomendável para os fãs das lendas de Arthur.

Quer resenha? Clique Aqui.

Leitura Compartilhada – Final

 

Então chegamos ao final do Projeto Leitura Compartilhada, que consegui finalizar em aproximadamente dez semanas, com os 7 livros da trilogia Jean-Christophe do autor Romain Rolland. Este último volume encerra a história-biografia com 656 páginas. O último livro chamado O Novo Dia, JC já tem seu nome e sua música reconhecidos na Alemanha sua terra natal, em Paris onde vive e na Italia para  onde sempre viaja e onde mora seu grande amor da juventude, Grazia. Amor platônico por parte dele e amor de amiga por parte dela. Reencontra George o filho de seu falecido amigo e resolve cuidar dele, mas não se sai bem em sua missão. Viaja de novo para sua terra, reencontra seus amigos, assiste o casamento de seu “afilhado” George com a filha de sua paixão Grazia. Faz as pazes com Lévy-Coeur. E começa a definhar ao saber da morte de Grazia. Sente que todos que amou algum dia, estão em algum outro lado e que quer estar lá. Em seus últimos instantes de vida, começa a ouvir uma sinfonia, em que todos os instrumentos chegam à perfeição, e rodeado de seus amigos, vai encontrar seus amores. Trechos do livro: “…belos tipos italianos…que amavam com ternura a natureza, os velhos pintores, as flores, as mulheres, os livros, a boa mesa, a pátria, a música…Amavam tudo. Não davam preferência à nada.” “Não lê nada. Nesse mundo não se lê mais. Unicamente a música achou misericórdia. Aproveitou mesmo com a derrota da literatura. Quando essa gente se acha estafada, a música é para ela banho turco, vapor morno, massagem, narguilé. Não faz pensar: é uma transição entre o esporte e o amor.”

O livro conta com uma Bibliografia de Jean Christophe e uma Cronologia do autor Romain Rolland. Valeu a pena cada semana de leitura. Recomendadíssimo. Foram meus livros mais marcados com post-it. =D  Quer resenha? Clique Aqui.

20160306_073108[1]

 

Leitura Compartilhada #9

post

Penúltima semana da trilogia Jean-Christophe, do autor Romain Rolland. No sexto livro A Sarça Ardente, do volume III, JC pensava ter conquistado a paz: suas músicas eram elogiadas e tocadas nos teatros – colhendo apenas resultados dos seus esforços, tinha bons amigos, suas paixões haviam adormecido. Agora morava sozinho, após o casamento de seu amigo Olivier. Frequentavam reuniões políticas onde se discutiam Karl Marx, Nietzsche. Travou relações com os operários. Entrou para o Movimento Social Revolucionário, não porque pensasse como eles, mas porque gostava de se exaltar contra os que aceitam tudo sem lutar. Num dos momentos de se exaltar, discursou em um botequim e a polícia vigiava-o. Em 1º de Maio, em comemoração do Dia do Trabalhador, uma passeata e uma multidão se juntaram nas ruas de Paris. JC convidou Olivier pra sair, este não gostava do povo, mas foi convencido. Após alguns momentos começou uma revolta entre os revolucionários e JC acabou por enfiar a espada em um guarda, para se salvar. Ajudado por alguém fugiu até a estação. Seu amigo Olivier morre nesse tumulto. JC sem saber toma o trem para a Suiça. Foi se estabelecer em casa de Dr Braun e recebeu a noticia da morte de seu amigo. Em depressão se envolve emocionalmente com a esposa do Dr Braun. Se sentindo um traídor foge pra Italia. Lá consegue dar a volta por cima, lutar sem desistir. Após dois anos já podia viajar livremente para a Alemanha e Paris. Tudo havia sido esquecido.

Trechos do Livro: “O silêncio e a noite…Não havia nele senão o vácuo e a necessidade do vácuo…o selvagem pássaro da alegria ainda vivia nele; em bruscas revoadas, esbarrava nas grades, e ficava no fundo da alma um horrível tumulto de dor.” ” Ó música, que abres os abismos da alma! Arruínas o equilíbrio habitual do espírito.”

musica

Leitura Compartilhada #7

Começando o terceiro volume. Olhando a Planilha, vejo que as férias e a maratona de Carnaval, fizeram um bem para as minhas leituras este ano! Estou conseguindo não só ler os volumes deste projeto, como incluir outras leituras, para não cair numa ressaca literária.

Neste livro I Em casa, do III volume de Jean-Christophe do autor Romain Rolland, JC resolve dividir um apartamento com seu melhor amigo Olivier. Mesmo tendo opiniões diferentes o poeta e o músico fazem essa amizade ficar mais forte. O francês Olivier dizia: “Na própria Literatura não viste senão o teatro de luxo…acreditas que um  trabalhador saiba sequer o que neles se passa? Como todos os estrangeiros, dás uma importância desmedida aos nossos romances…” JC respondia “A alegria de vocês é um engodo, um sonho de um fumador de ópio. Vocês se embriagam de liberdade e esquecem a vida.”

E finalmente o sucesso chega na vida de JC! Olivier consegue fazer com que um jornal fale dele e todos os repórters passam a querer falar com ele, e sua música passa a ser citada e tocada.

Leitura Compartilhada #6

Finalizando o volume dois de Jean-Christophe, do autor Romain Rolland com 542 páginas, temos na parte III o livro chamado Antoinette. Essa moça JC conhece na Alemanha, a convida para ir à um concerto e ela perde o emprego e volta para Paris. Eles não travam uma amizade. Eles nem se conhecem. Na orelha do livro está escrito “…Antoinette é o único dos dez romances da série que não trata diretamente da biografia do herói.”  Aqi vamos conhecer uma moça que apenas cruzou o caminho de JC. Antoinette tem uma vida breve. Filha da rica família Jeannin, tem todos os estudos e todos os bons partidos aos seus pés, já que é muito bonita. Tem um irmão mais novo. seus pais criam um ambiente perfeito em volta dos dois. Seu pai banqueiro, cai nas lábias de um aproveitador e gasta o dinheiro dos clientes, não conseguindo saldar suas dívidas. Então ele se suicida e deixa a mulher pra resolver os problemas da família. Ela vai procurar uma irmã também rica que lhe vira as costas. Ela adoece e morre. Então Antoinette se torna a responsável pelo irmão mais novo e faz de tudo para que ele chegue à universidade. Trabalha muito, cuida pouco da saúde e esquece de si. Um doença faz com que tenha uma vida curta, mas consegue deixar seu irmão com uma bolsa de estudos. Após sua morte, seu irmão lendo seus escritos, descobre que ela nunca esqueceu Jean Christophe por tê-la convidado para aquele concerto. E aí Oliver faz tudo para encontrá-lo.

Terminamos aqui o segundo volume. Trecho do livro: “A pior desgraça, para as almas fracas e ternas, é terem conhecido, uma vez, a maior das felicidades.”

Trecho do comentário no Blog do Escriba: “Só lê Jean-Christophe, o romance do francês Romain Rolland, quem tem fôlego de alpinista e ama de fato as Letras. Ou então, é viciado em literatura e livros clássicos imortais. E, especialmente, quem dispõe de tempo, artigo de luxo nos dias corridos que vivemos hoje. Sim, porque a obra é bela, indubitavelmente, mas muito extensa. São, nada mais nada menos, que cinco volumes de quatrocentos e tantas páginas cada um. Em peso, deve dar uns cinco quilos ou mais de literatura fina e fluida, embotada de sentimentos humanistas e filosóficos interessantíssimos que, realmente, validam sua dilatada estatura e extensão, e com certeza encantará os leitores mais sensíveis que se aventurarem a lê-lo. Sem dúvida, vale a pena. No romance existem centenas de belas passagens, que dariam, com certeza, para encher todo um Blog com seu conteúdo…”.

 

Leitura Compartilhada #5

 

5978291_1gg

Entramos no segundo livro do Volume II, de Romain Rolland,  onde Jean Cristophe pensa que Paris vai ser sua salvação. Tem umas páginas de diálogos do narrador com o personagem, que não acrescenta nada e depois o trem chega à Paris. O livro se chama A Feira na Praça. A primeira visão que JC teve de Paris, foi de desânimo, mas tentava imaginar que havia uma “outra Paris”. Não consegue trabalhar sua música, mas consegue dar aulas para alguns da sociedade parisiense, que vive numa anarquia. JC vive em conflito com a moral elevada por pensamentos religiosos, e a naturalidade os vícios, as trocas de parceiros, a falta de moralismo. Trecho do livro:” Essa plebe musical enojava-o…que todo verdadeiro músico vive num universo sonoro… a música é o ar que ele respira, o céu que o envolve. Mesmo a sua alma é música.”

JC também travou contato com a sociedade literária e também ficou chocado com textos “a respeito de um pai que dormia com a filha de quinze anos…sobre um pai e seu filho de doze anos que dormiam com a mesma moça…um irmão que dormia com a irmã…” e achou essa sociedade doente. Um desse escritores se chama Lucien Lévy-Coeur e JC detestava-o: “…ele representava o espírito de ironia e decomposição que atacava brandamente… a família , o casamento, a religião, a pátria…tudo lhe servia de matéria de literatura: suas conquistas, seus vícios e os vícios dos amigos…narrava a vida privada de seus pais…”

Nessa época os defensores da República desejavam retirar os ainda poucos poderes da igreja sobre o Estado. Então JC pensa que no meio de grupos políticos pode haver melhores pensadores do que nos grupos de música e literatura. Mas também aterrorizou-se com as conversações hipócritas e suas idéias sobre a França ficaram abaladas.

Então ele conhece o poeta Olivier Jeannin e começa a gostar de Paris. Trecho do livro: ” A deliciosa luz de Paris!…pouco a pouco transformava seu coração, sem que ele o percebesse. Era para ele a mais bela das músicas.”

Música que ouvi durante a leitura: