Os Confederados

O livro Por Ocasião da Minha Última Tarde da premiada autora americana Kaye Gibbons, conta em 287 páginas a história de um homem muito mau que vivia com a família numa grande casa na Carolina do Norte. A história começa em 1842 e é contada em primeira pessoa pela filha desse homem, que vê os brancos enriquecerem às custas dos serviços dos negros escravizados. Ela e a mãe não concordam com as atitudes do seu pai e ela se casa com um “abolicionista” médico.

A partir daí o livro conta os horrores vividos durante a guerra dos confederados, onde ela ajuda o marido médico a salvar vidas. O pai dela continua mau até o final do livro: nem a guerra, nem a perda da fortuna, nem a doença que o faz ficar sem andar faz com que goste das pessoas.

É um livro dramático, pesado, mas muito bem escrito. Fiquei curiosa sobre esse período após esse post que fiz.

Trechos do Livro: “Ela não afagou meus cabelos, não me acalmou, pois tais delicadezas não eram do seu feitio e porque, naquele momento, não estava com nenhuma disposição de permitir que uma menina branca ficasse choramingando…quando era um dos seus…que fora assassinado…” “O velho disse que eu poderia ficar com os meninos, pois seus cérebros já tinham sido estragados para o trabalho decente.” “Então, beijou a testa de Clarice. Sentou na espreguiçadeira no canto do quarto e chorou, o amargo fruto por ter tratado Clarice como uma criada negra, e não como a mulher que transformara Seven Oaks num lar.”

Anúncios

Quando o Título Mente #2 🤨

⚠️Spoiler!

O livro A Lenda da Pedra Falante da autora Jocelyn Kelley conta em 255 páginas a história de uma moça ruiva, órfã, criada em um convento que treina as moças para se defenderem com o uso de varas. Elspeth, sendo uma das melhores, é escolhida pela rainha da Normandia pra encontrar “a pedra falante” que segundo a lenda pode matar o rei seu marido. Ela então vai tentar encontrar a “pedra” e destruí-la. Ela encontra um grupo de galeses que lhe convidam para ir com eles. E, de aventura em aventura, ela cumpre sua missão.

PROBLEMAS: No começo a autora dá a entender que “a pedra falante” pode ser qualquer coisa. Então vamos ficar atentos pra ver se é alguém! NÃO! A pedra é só uma pedra comum, que não fala, não acontece nada com ela. Seria melhor não traduzir o título original: One Knight Stands. 😐

A autora também não decidiu qual ponto de vista usar, então usou um narrador onisciente em primeira pessoa. Confuso? Você está lendo o que a personagem está pensando e de repente uma frase, que você têm que presumir quem está falando. Depois de umas páginas esse recurso fica normal.

É uma história bobinha para crianças. Mas NÃO pode ser, por causa das cenas tórridas entre a freira e um desconhecido.

Outro problema são os capítulos em forma de círculo: começa sempre com os dois em tensão erótica, uma luta ou problema, e os dois separados. Todos exatamente assim: ele gosta dela, mas não pode. Ela gosta dele, mas têm que cumprir a missão. Longe dele ela luta com homens e ganha, perto dele ela grita por socorro. Você começa o livro pensando em “empoderamento feminino” e termina o livro querendo bater na personagem principal. 😬

Trechos do livro:“Em tempos de periculosidade, quando aliados se transformavam da noite para o dia em inimigos, era quando uma mulher de sabedoria precisava estar mais preparada para enfrentar batalhas.” ” Porque você brinca tanto com o perigo…quando é dona de uma inteligência rara e de conhecimentos incomuns?” “Sabia que não poderia durar. Que em breve teria de lhe dizer adeus e seguir sozinha pelo nevoeiro…enquanto pudesse, ela permaneceria a seu lado, sem exigências.”

Autor Nacional

O livro A Janela do Tempo do autor nacional Iran Ibrahim Jacob conta em 126 páginas a história de um artista que senta em sua janela para pintar seus quadros. Em frente à sua casa há uma parada do trem. As pessoas que descem ali são convidadas à entrar e conversar. O pintor busca sua inspiração nas pessoas que por ali passam e nas montanhas que ele vê atrás da estação. Um dia sonha que esta viajando nesse trem e conhece uma moça, que decide ser sua “alma gêmea”. A partir daí o livro narra toda a trajetoria – viagens, conversas, lendas – para encontrar sua alma gêmea e finalmente pintar seu retrato.

O livro me lembra um outro livro que o personagem faz uma viagem e as pessoas que encontram lhe dão lições de vida, como em uma parábola. Eu achei o texto meio “cliché-machista” onde todos os homens são sábios (as moças só sabem ser bonitas, dançar e ouvir conselhos de um rapaz que parece perdido) e as moças só querem casar. O autor tenta fazer uma filosofia sobre o tempo (“vou te esperar o tempo que for necessário” ) mas senti o foco na busca do amor.

Trechos do Livro:” A vida está cada vez mais apressada e o homem é escravo do tempo. Ainda bem que tenho minha janela para ver o trem passar.” “…o artista concluiu que dois bilhões de pessoas dando dois grãos de arroz por dia, obter-se-ia…oitenta toneladas de arroz para alimentar os irmãos carentes.” “As flores só podem existir na primavera. É uma lei que tem sua razão de ser. Não se deve contrariar a lei de Deus. O que a rosa deseja está além das leis naturais. O prazo dela já se esgotou…” “Mona Lisa representa o amor perfeito. O sorriso enigmático pode simbolizar a felicidade plena e absoluta do encontro dos verdadeiros pares perfeitos, os pares ideais.” “No exato instante deste encontro divino, há uma fusão completa e forma-se um ser que não é nem espermatozóide, nem óvulo, mas ambos. Dentro de cada ser existe um par, somos homens e mulheres ao mesmo tempo.” “A liberdade não se conquista; é um estado de espírito. Você pode estar preso numa jaula e sentir-se livre; pode estar voando como um pássaro e sentir-se preso.”

Outros livros com títulos parecidos:

Teor Adulto, mas é Balzac 😉

1540-0c74dd7fec94889ea8102ac4d99cf0821 1961

 

 

O livro A Menina dos Olhos de Ouro é um romance breve de Honoré de Balzac com apenas 93 páginas, faz parte da obra História dos Treze. A história, baseada num quadro do pintor Eugène Delacroix La Morte de Sardanapale (abaixo), conta a história de uma moça que vive cercada de guardiões por causa de sua beleza, mas um jovem milionário entediado resolve possuí-la ao encarar seus olhos cor de mel. Os cabelos, não sabemos, já que no começo o autor diz ruivo e no final diz negro. Toda a aventura para se encontrar com a moça é cheia de detalhes assim como os locais do encontro: primeiro em um pardieiro, depois em um palácio. Ele se apaixona e se descobre usado por ela. E tem o trágico final como mostra a pintura. O romance é machista, traz termos que colocam a mulher como um simples objeto para o homem. Uma propriedade. O erotismo está todo detalhado nela, já que o rapaz só mostra o peito sem camisa. Também tem um filme francês de 1961.

Trechos do livro: “Não há mistérios para eles; conhecem a parte secreta da sociedade, da qual são confessores, e naturalmente a desprezam…Em cada momento o homem de negócios pesa os vivos, o homem de contratos pesa os mortos e o homem de leis pesa as consciências.” ” O prazer assemelha-se a algumas substâncias medicinais: para obter constantemente o mesmo efeito, é preciso dobrar a dosagem: no fim da linha encontra-se a morte ou o embrutecimento.” “…podem-se encontrar no mundo das mulheres grupos de pessoas felizes, capaz de viver do jeito oriental conseguindo guardar sua beleza…ficando ocultas feito plantas raras que abrem suas pétalas em horários determinados…”

1200px-Eugène_Delacroix_-_La_Mort_de_Sardanapale

A mágica e a Montanha

montanha

A edição desse livro é portuguesa, Coleção Dois Mundos de Lisboa, então algumas palavras estão escritas de forma diferente da nossa – nada que atrapalhe a leitura da Montanha Mágica ( no original em alemão Der Zauberberg) de Thomas Mann que conta a passagem do jovem Hans Castorp por um sanatório que fica situado numa montanha nos Alpes Suiços. As 749 páginas contam a passagem de mais ou menos três anos em que o jovem esteve ali internado, primeiro como visitante de seu primo e depois como paciente. Todos os acontecimentos de cada paciente, são contados de forma a criar conhecimento no jovem. Ele que veio a passeio, acaba por se ver doente e também internado como paciente. E acaba por gostar do local, com muitos almoços, muita fartura, muitas festas, muitos passeios. 🏔

A minha impressão é de que o médico responsável pelo sanatório não entendia muito bem do assunto e resolvia internar todo mundo. As pessoas não parecem se importar de chegar saudável e de repente, estar com a mesma doença dos outros pacientes. Na realidade se parece com um resort, onde quem tem muito dinheiro para se “hospedar”, vai ficando. Os “pacientes” comem muito, bebem muito, dançam, assistem jogos de inverno, passeiam pela cidade, fumam charutos, se apaixonam. É como se eles criassem seu próprio mundo ali em cima, na montanha. Até a página 100 se passam apenas dois dias da visita do jovem Hans. Todos o convencem que a doença engrandece a alma. Para o primo do Hans, medir o tempo é uma questão de sensibilidade. Na página 229 se passaram sete semanas. E o jovem decide ficar. Ele começa a se interessar por medicina e lê tudo o que pode para aprender. A partir da página 390 ele está há umano na montanha e muda seu interesse por botânica: plantas, flores e seus chás. 🌲

O livro está cheio de personagens interessantes, como Setembrini, o italiano (pobre) que tem muitas discussões filosóficas com o indiano Naphta (rico), e que faz o jovem Hans aprender muito. Tem a estrangeira Sra Claudia que é casada, mas vai e volta do santório e em sua última vinda, traz um russo a tiracolo que é seu amante. Isso divide Hans que a ama, mas acaba gostando da amizade com o homem. Tem as pessoas que chegam e que partem, os que chegam e que morrem. Após dois anos na montanha ele aprende a skiar.⛷️

Depois da morte de seu primo ele se interessa pelo jogo de cartas, principalmente por “paciencia”. Depois da chegada do gramofone ele se interessa por música clássica. 🎶 Já se passaram três anos e ele abandona a admiração pelo italiano e começa a ficar entediado. Começa a participar de sessões mediúnicas. Eele resolve gastar o resto de suas forças na guerra.
Trechos do Livro: “…Hans Castorp representava um produto genuíno da sua terra: gostava de viver bem, e apesar da sua aparência anémica e refinada, agarrava-se com fervor e firmeza, tal como um lactante deliciado pelos seios da mãe, aos prazeres físicos que a vida lhe oferecia.” “Isso não quer, no entanto, dizer que ele amasse o trabalho; disso não era capaz, por mais que o respeitasse, simplesmente pela razão de não se dar bem com ele.” ” Um dia sem tabaco seria para mim o cúmulo da insipidez, um dia totalmente vazio, sem o mínimo atractivo, e se eu qualquer dia despertasse sabendo que não poderia fumar, acho que não teria coragem nem para me levantar.” “…quando se presta atenção ao tempo, ele passa muito devagar.” “…gostava do seu pequeno gabinete de estudos no inverno, amava-o de todo o coração e fazia questão que o mantivessem a uma temperança de, pelo menos vinte graus…” “A música… como meio supremo de provocar entusiasmo, como força que nos arrasta para frente…Sozinha, a música é perigosa.” ” O sintoma da doença era uma actividade amorosa disfarçada, e toda a doença era metamorfose do amor.”

Tudo é verdade e nada é verdade.

50c468511d73913331c38445c02f2a92-22526186.jpg

O livro O Estrangeiro de Albert Camus, trata em 154 páginas de um livro de tribunal. Ele conta a história de um rapaz que um dia após o enterro de sua mãe, que ele colocou em um asilo, ele conhece Maria vai com ela à praia e depois do cinema dormem juntos. Alguns fins de semana depois, por causa do sol muito quente, ele comete um crime contra um árabe. O seu vizinho bateu na namorada que era irmã desse árabe e o irmão da moça queria ajustar contas. Mas a confusão já tinha acabado. E ele vai preso e é julgado pelo crime. Resultado: pena de morte.

O livro é absurdo, engraçado, brutalmente real e sarcástico. Comecei a ler em inglês, mas finalizei na versão em português. O autor também fez um livro para o personagem árabe que morreu nessa história.

Trechos do livro: ” Este mês comprei-te um vestido, dou-te vinte francos por dia, pago-te aluguel e tu passas as tardes a tomar café com as amigas. ..Portei-me bem contigo e tu não me pagas na mesma moeda. ” “…quando ela voltasse, teria relações com ela, como habitualmente e, “mesmo no fim”, cuspir-lhe-ia na cara e pô-la-ia na rua.” “É claro que gostava da minha mãe, mas isso não queria dizer nada. Todos os seres saudáveis tinham, em certas ocasiões, desejado, mais ou menos, a morte das pessoas que amavam. ” “Nessa altura pensei muitas vezes que, se me obrigassem a viver dentro de um tronco seco de árvore, sem outra ocupação. ..ter-me-ia habituado pouco a pouco. “

Foram lançadas grafic novel, filmes e séries baseados nessa história.

 

 

 

Little Men

cover

O livro Um Colégio Diferente (Little Men de 1871) da autora Louisa May Alcott, conta a versão masculina de seu livro mais famoso Little Woman. Mas o título escolhido na tradução deixa ver aonde e como se passa a história. O personagem principal é Nat Blake um menino que toca violino nas ruas e é enviado pra casa/escola da Tia Jô que tem o trabalho de cuidar da formação das crianças que vivem lá. Ela e seu marido, o bondoso Bhaer e os dois filhos pequenos orientam as crianças sentimentos de honra, amor ao trabalho, confiança e generosidade. Várias pequenas aventuras que acontecem tem sabor de infância. E finaliza com um almoço de ação de graças, portanto um livro pra essa época do ano.

Nessa versão recontada o livro tem 160 páginas.

Trechos do livro : ” O criado do jardineiro escolheu uma delas para plantar árvores frutíferas e legumes…tudo que a terra produzia eram flores…Se ele plantava, por exemplo, melões, nasciam flores em vez de melões…o homem continuava insistindo, enquanto a terra se limitava a dizer: “será que ele não me compreende?” “O Sr Bhaer…gostava de estimular o espírito de iniciativa dos seus alunos. ..”

menino