De Novo? A escolha da tradução :/

 

O Livro de Graham Greene com 158 páginas deveria obedecer o título original e se chamar “O Capitão e o Inimigo”. Me recuso a entender a escolha do título em português. É exatamente para não ser encontrado pelo inimigos que o Capitão muda de nome, mas qual ele está usando não é importante, já que na história, ele é apenas “o Capitão”. Principalmente para o narrador, que agora que é jornalista adulto, quer escrever a história desse personagem misterioso que conheceu quando criança. Mas se tem algum mistério no livro, ele não é desvendado para o narrador.

Difícil achar uma resenha para esse livro: “Liza é um ersonagem épico” (?) “…a parte do Panamá…tramas de espionagem de forma sutil” (?) “…grande clássico de caráter universal primordial para a educação. Possui texto de fácil entendimento que estimula o leitor a pensar e refletir sobre o tema proposto.” (?) 

O livro é contado pelo personagem Jim/Victor – todo mundo tem mais de um nome no livro – desde a visita do Capitão na sua escola, lugar que odeia porque sofre bullying, e o leva embora, pra morar com uma mulher chamada Liza – pessoa com sérios disturbios, causados por um aborto mal-sucedido. Seu verdadeiro pai e sua tia, vão visitá-lo, mas o deixam morar lá mesmo. E ele e Liza tem uma boa convivência até ele se tornar rapaz, arrumar um estágio num jornal e sair de casa. Essa casa é um porão de um prédio prestes a ser demolido. O Capitão tem uma paixão platônica por Liza, e em suas viagens/fugas, ele lhe envia cartas apaixonadas. Depois da morte de Liza, Juim vai atrás do Capitão no Panamá, para descobrir quem ele realmente é. Mas ele também morre e nós os leitores nos sentimos traídos…

…se sentindo incomodada :/

O que me incomodou….foi o título!! Porque não manter o título original: Três Histórias? Será por causa do conto do jogo de xadrez? Mas o importante ali não era o combate, ou ganhar, ou perder. Porque todos perdem no final.

Mas com certeza o livro Drei Geschchten, do autor Patrick Süskind com 86 páginas, vai se tornar o favorito do ano!!! Que delícia de leitura!! Livro pra ler em um só dia!!

Reclamações: um dos contos, sobre moluscos, é meio filosófico, com detalhes “técnicos” e tenho que ler novamente pra definir se vale a pena.

Trecho do livro: “O que vou te dizer agora é inaudito, e quando eu tiver aberto os teus olhos verás um mundo novo e não poderás mais continuar vendo como antes. Esse mundo novo será horrendo e angustiante. Não alimentes a ilusão de que possa restar qualquer esperança ou consolo para ti, a não ser que agora conheces a verdade e que essa verdade é absoluta.” “A ignorância não é uma vergonha: para a maioria dos homens ela constitui a felicidade.”

LENDO POR AÍ…

subita

Terminei a leitura de Morte Súbita – livro adulto de J.K.Rowling, autora da série de Harry Potter. O título em inglês faz jus à história.  Casua Vacancy. E o livro só fala sobre isso. A capa é horrível . Eu não compraria esse livro pela capa.

O que se espera de uma autora que você é fã e desenvolve aventuras terríveis e deixa o leitor com curiosidade, ansiedade e saudade? Um texto parecido. Esse não tem a marca da autora que a gente conhece. Parece escrito por outra pessoa. Primeiro, o que torna esse livro,  um livro para adultos? Falar sobre drogas? ela apenas cita que alguém vende ou alguém já usou. Cigarro e álcool? nem existem excessos por parte dos adultos. O cigarro, tanto como a bebida,  é citado como uma brincadeira entre adolescente. O abuso? Fica subentendido que a pessoa que “pensa que cometeu os abusos, é esquizofrênica e não tem certeza de nada. Então, pensando bem, se J.K.Rowling estudasse comigo no ensino fundamental, ela ía corar com os livros indicados pela escola para os adolescentes: Gabriela, Luzia Homem, O Mulo, O cortiço e lá vai.

Achei o livro chato pra adolescente, já que não tem aventura, e sem graça pra adulto, já que não acontece nada de mais. Faltou algo.

Agora estou lendo o que seria uma trilogia, mas que já foram lançado 4 livros: Assassin¹s Creed.

Lendo ainda o primeiro livro, locado numa biblioteca pública, fiquei em choque com o seguinte diálogo:

cliente:_Só tem esse volume do livro um que ela tá levando? (no caso eu).

atendente:_Só. mas você pode levar o dois ou o quatro. ali na segunda estante.

Cliente:_Mas eu ainda não li o primeiro. Será que dá pra ler um sem o anterior?

Atendente:_É cada um uma história diferente da outra. Todo mundo pega qualquer um. Esse o Crepúsculo, eu só li o último e sei a istória toda! (se achando!)

Cliente:_ Tá bom. então vou levar o dois.(vai embora)

Eu:_eu num leio o dois sem ler o primeiro.

Atendente:_eu nunca li nenhum livro desse!

Eu: (?)

Não concordo com a atendente. Toda história começa do começo, isto é, do livro um. Fora a série “Marcada”- achei cansativo, porque todo livro pode ser lido sozinho, porque o seguinte conta um resumo do livro anterior- toda série, toda trilogia eu começo do começo e vejo que nenhum pode ser lido antes o outro. você conhece os personagens, escolhe seu favorito, anda pelos caminhos, pelos lugares e tudo fica familiar.

Tem pessoas que  pulam linhas, pulam páginas, e dizem que leram tudo. Até leitura dinâmica lê todo o texto-  eu me obrigo a ler até a página 100- se a história não foi boa até aí, não será mais. eu Leio prólogo, prefácio, orelha, epílogo, índice, TUDO!

O amor é cego

TRADUÇÃO

Quem decide os títulos em portugues para os livros e filmes? Li numa revista que os títulos são alterados de acordo com cada país. Alguns títulos de filmes, mesmo diferentes, conseguem fazer jus ao original. Esse é o caso de desenho Os Sem Florestas, sobre uns animaizinhos que vão para a cidade porque a cidade avançou sobre seu território, a floresta. No original, Over the Hedge, literalmente, “por cima da cerca”, que divide a cidade com a sua floresta. Um distribuidor de filmes americanos no Brasil disse que é preferível a tradução literal e que ela apenas é mudada quando “não soa muito bem” comercialmente. É o caso de Scary Movie -tradução literal: filmes de assustar- que foi uma paródia da série Pânico (no original, Scream-grito) que no Brazil se chamou Todo mundo em Pânico. Uau!

Alguns títulos são similares ao original (no caso aqui, Americano-mas os títulos Franceses e Germânicos, não ficam atrás.)e outros ganham um subtítulo: O código da Vinci, como no original e Sin City: A cidade do Pecado, com um subtítulo. assim fica dificil conversar sobre filmes com um estrangeiro! A good title captures the spirit of a movie in as few words as possible:

_Did you see, the man  with a golden dick? (!!!)

_What the fu*#&!

_a parody of  a James Bond film with a character named Austin Powerr!

_Ah! goldmember is a reference of a goldfinger, the filme 007!

O Homem do Membro de Ouro é uma boa tentativa, mas não captura o espírito do original em ingles.

Essa semana passou um filme na Sessão da tarde em que um homem só se apaixona por uma gorducha, quando hipnotizado. O nome? O amor é cego. Porque os dois tem um final feliz? O nome original Shallow Hal – Hal, o superficial – é menos discriminatório e bem mais verdadeiro, quando se refere a história do filme. a capa ficou perfeita: a sombra dela gordinha e ela real.

Queria ler os livros de Shakespear em seu idioma!