Suspense e mistério é possível!

20190826_195924-15668015496877331663.jpg

O livro Vertigo dos autores Boileau-Narcejac foi levado às telas do cinema por Alfred Hitchcock em 1958. Esta edição em capa dura com 192 páginas, da Editora Vestígio tem o subtítulo Um corpo que Cai, nome dado ao filme no Brasil. A história se passa durante a guerra: um advogado pobre é contratado por seu amigo rico pra seguir e vigiar sua esposa que anda muito esquisita. Ele começa a segui-la e a salva de um possível afogamento. Então ele se apaixona. Durante todo o tempo ele tenta reprimir a paixão mas continua saindo com ela. Até que ele acha que pode salvá-la da loucura. Mas ela se suicida na frente dele.

A segunda parte do livro se passa cinco anos depois, quando ele volta à Paris e descobre que seu amigo já faleceu e no período de investigação quase foi preso suspeito de matar a esposa. Novamente ele se culpa por não ter contado sobre sua paixão.

O final é surpreendente. 🙀

Trechos do livro:” …deixou que ela se afastasse um pouco. Chegou a pensar em voltar para casa. Mas o fato é que segui-la lhe dava uma sensação de embriaguez…” “…ela exercia sobre ele uma estranha influência; absorvia, literalmente, todas as suas forças; ele representava, junto a ela,…de certo modo, de doador de alma.” “… o segredo da sua indiferença. Ela tinha saído da vida sem nenhuma hesitação; caiu na terra, de cabeça, braços abertos, como para melhor possuí-la, afundar-se inteira nela. Não estava fugindo. Estava voltando para alguma coisa.”

Anúncios

Muitos personagens em um só =/

O livro Eu sou o Peregrino do autor inglês Terry Hayes conta em 685 páginas onde cinco episódios se conectam em uma trama de suspense, todos ligados ao personagem principal. A guerra contra as armas biológicas está de volta e os novos “espiões” são contratados para descobrir o criador do vírus e evitar sua distribuição. O personagem principal é uma mistura de estudante de psicologia em Harvard/ agente da polícia/ escritor de livros sobre crimes/ investigador/ e uma isca do FBI com codinome Peregrino. Os capítulos são curtos, mas ele vai e volta na sua vida pra contar a sua versão da sua história, enquanto investiga um crime: uma mulher rica morre num quarto de pensão durante a queda das torres gêmeas. Um filho de um árabe vê o pai morrer, entra pra jihad, torna-se médico sírio e cria um vírus mortal, testando em pessoas reais nas montanhas do Afeganistão. Um americano milionário morre na Turquia. O assassinato na Grécia. E o Peregrino conecta todos os crimes para resolver o caso.

Problemas: o livro é muito longo, poderia ter contado a história em 300 páginas. As descrições biológicas são muito chatas pra quem não gosta da área. Tem o velho profissional do crime que usa o livro dele pra cometer o assassinato do mesmo modo.

Não é um livro que eu vá ler de novo. Ele realmente fecha o círculo, mas não me convence de que precisava tanta mistura pra contar um suspense. Parece que durante a escrita ele pensava “ah, faltou falar de arte…” aí descreve o pai adotivo como artista; “ah!faltou um herói…” aí um dos policiais salvou alguém durante a queda das torres. Essas idas e voltas, ele conta o que vai acontecer lá na frente.

Trechos do Livro: ” …disse que o problema com a guerra é que normalmente ela destrói as próprias coisas pelas quais se está lutando- justiça, decência, humanidade- e não pude deixar de pensar em quantas vezes eu violara os mais caros valores de nossa nação a fim de protegê-los.” “…há tanta gente nessa merda de planeta que isso é tudo que somos: linhas de código em um disco rígido. Apague essas linhas e não existimos mais…”

Uma história policial sem vencedores.

D_Q_NP_149225-MLB25400106559_022017-Q

O livro O Vencedor da autora Tami Hoag conta uma história policial ambientada no hipismo: cavalos caros, tratamentos Vip, pessoas com muito dinheiro pra gastar com supérfluos. A personagem principal era uma policial que não acatou uma ordem superior e por isso um colega morreu. Ela foi afastada da corporação e voltou pro ambiente hípico que conhecia bem. Esse fato não só causou a morte de seu parceiro na policia, como deixou cicatrizes, enxertos de pele e uma leve paralisia facial. Agora que ela quer esquecer o passado e trabalhar com cavalos, surge uma menininha pedindo ajuda para encontrar sua irmã que desapareceu. Ela aceita o desafio e então pessoas são assassinadas, cavalos morrem para que seus donos recebam o seguro milionário. Com a ajuda de um policial ela consegue informações para continuar no caso, mas como detetive. Com muito esforço ela resolve a situação e ajuda a menina.

Problemas: Na página 150 eu já desconfiava do suspeito. Essa tática de apontar como vilão todos os malvados e no final o mais doce e fraco ser o verdadeiro culpado. outro problema são os acontecimentos: muitas coisas acontecem juntas e que seria preciso mais tempo para executá-las. Em cinquenta páginas são descritas ações que se passam em vinte e quatro horas! Me lembrei de uma novela em que os personagens saíam da arábia e chegavam ao Brasil no mesmo dia. E nas últimas páginas tenta jogar toda a resolução do caso sem conseguir convencer o leitor da mudança dos personagens. O título mente, já que não há vencedores nessa história. A capa é feia, não remete à história.

Para comprar o livro clique Aqui: https://amzn.to/2IhrBeJ

Lendo em Inglês #3

68e7a47f501a1fa71eee4ae5fd988d40

O livro The Birds da minha autora francesa favorita Daphne du Maurier conta a história de um homem que mora com sua família próximo à praia. Durante o Outono é o melhor período para observar os pássaros que se aproximam, principalmente as gaivotas, com seus brilhantes olhos amarelos. Um dia ele percebe uma movimentação diferente nos pássaros. Eles se aproximam da praia mas não se alimentam. Ficam aguardando. Naquela noite em casa, um pássaro invade sua janela e o ataca. Ele começa a observar a rebelião dos pássaros se formando. Ele coloca madeira em todas as portas e janelas. Ao ouvir o rádio ele descobre que isso está acontecendo em várias partes do mundo. Ele sobe ao telhado para observar e descobre que os pássaros se movimentam conforme a maré: se aproximam quando ela sobe e se afastam quando ela desce. No período de baixa ele aproveita para rodar a cidade em busca de comida; todos na cidade estão mortos e sem os olhos. Ele retorna antes da maré subir novamente. Os pássaros continuam atacando, o rádio já não transmite nenhum sinal, ele sabe que sua família é a única sobrevivente. Até quando?

O livro em inglês da Penguin Readers é do Elementary Level, de fácil leitura.

Também há um filme de Alfred Hitchcock que foi apenas baseado na história. O filme de 1963 tem umas cenas toscas de crianças sendo atacadas na rua. Os efeitos especiais eram o máximo para a época, mas não funciona agora. Prefiro o livro que deixa as cenas fortes apenas subentendidas.

Poe: Dois contos de Horror

O livro Os Assassinatos na Rua Morgue do autor Edgar Allan Poe é uma adaptação para a série Reencontro. O livro também traz o conto O Escaravelho de Ouro. Em 100 páginas temos um conto de horror e um de mistério. O assassinato de mãe e filha é descrito em todos os detalhes horríveis, e me lembrou Poirot. A resolução final do conto deixou a desejar. É como se ao final ele incluísse alguns personagens para conseguir dar um final misterioso. Até um macaco é suspeito!

Já o escaravelho, é uma busca ao tesouro de um pirata e uma história fantástica. Muito bom para apresentar o autor ao público infanto-juvenil. Essa é uma história com começo, meio e fim, trazendo a aventura em busca do tesouro perdido. Mesmo em poucas linhas, dá pra sentir a tensão de descobrir que estavam olhando o local errado, e então, encontram o lugar certo onde o baú foi enterrado.

Para o #mêsdohorror boa pedida!

9bfef24d-c3b1-48c1-b55c-cbc6762fcd70

Um final WTF? =D

MH000824-1

 

O livro Pines faz parte da The Wayward Pines Trilogy, do autor americano de sucesso Blake Crouch, se transformou em série da Fox. Ele é um autor consagrado com seus livros de suspense, e no prefácio ele conta que esse livro é inspirado na antiga série de TV Twin Peaks.

O livro conta a história de um nada inteligente agente especial do governo – aqueles homens de preto – que é enviado junto com outro agente para encontrar outros dois agentes desaparecidos. Então eles vão à essa cidade que dá nome à trilogia para descobrir o que aconteceu de fato com os dois desaparecidos. Ao chegar na entrada da cidade, eles sofrem um acidente de carro. Aí ele acorda no chão, no meio das árvores e desmemoriado. E então acontecem sequências de encontros, hospital, polícia, médico, tudo muito estranho e ele demora a perceber que tem algo errado acontecendo. A cidade é toda perfeita, as pessoas parecem saída de um filme dos anos 60, e o médico tenta fazê-lo crer que ele é que está com problemas. No momento em que prepara sua saída/fuga dessa cidade é que ele descobre que não há saída de Pines.

O livro também têm momentos em “outra dimensão” onde conta sobre como a mulher e o filho recebem a notícia do desaparecimento dele. Depois mostra a mulher e o filho nessa mesma “dimensão” que é a cidade de Pines.

Vejo um superhumanismo forçado nesse agente, que mesmo depois de drogado, sem se alimentar, ferido, infectado, cortado, quebrado, ainda consegue lutar, fugir, continuar. Quase parei a história. Mas o final justifica todas essas “falsas” derrapadas no texto. É só para tornar o enredo interessante, mas a explicação final justifica o que realmente aconteceu com ele.

Ainda não assisti a série de tv, dirigida pelo incrível M. Night Shyamalan.

Cultura Nativo-americana

 

 

 

screenshot_2018-10-05-10-29-39-1577490964

O livro Ladrões do Tempo do autor americano Tony Hillerman conta em 231 páginas a história de uma civilização perdida de uma tribo de índios-americanos, que vêm suas reservas serem invadidas por antropólogos e pesquisadores sobre sua cerâmica. Uma Doutora desaparece após descobrir sobre a origem desses potes; uma família que foi dizimada há muito tempo e só sobrou o pai desta família, único sobrevivente, também faz parte dessa história de mistério contada de forma lenta. E tudo se passa perto de uma comunidade mórmon que tenta converter os índios.

O problema é que o enredo é de suspense, mas apesar de dar um final para o desaparecimento dos personagens, o autor não explica realmente o final. Deixa a história em aberto. Personagens que parecem espertos e fazem coisas sem noção. E pouca informação sobre a cultura dos índios Anasazi que seria muito interessante.

Trechos do livro : ” Seria lá, quando houvesse luz suficiente no dia seguinte, que cavaria. Violando a lei Navajo, a lei federal e a ética profissional. ” ” O nascer da lua sem o uivo de um coiote seria igualmente impossível, e relacionar um coiote com a polícia de Largo representava a adição de um insulto lindamente disfarçado. Não se chama um Navajo de coiote. A única coisa pior é acusá-lo de deixar os parentes morrerem de fome. ” “Chee teve plena consciência de seus pulmões funcionando, dos poros abertos, dos músculos flexíveis, de sua própria e vigorosa saúde. Era o seu horzo – a harmonia dele com o que o cercava.”

Ouça uma música dos povos nativos: