O Fruto Proibido

Os-Espólios-de-Poynton

O livro Os Espólios de Poynton do autor Henry James me surpreendeu. Uma história em que os personagens mudam de hierarquiae passam de principais a secundários em poucas linhas. Em 218 páginas esta história escrita em 1897, mostra a guerra do noivo contra sua mãe, para ficar com a residência da família após seu casamento. O autor mostra a ironia da herança não ficar com a esposa viúva, mas com os filhos homens, na Inglaterra, e de regras que aconteciam no período em que o autor morou em terras britânicas.

O que é ruim? Ler o texto de apoio, já que ele conta toda a história.

O que é bom? o final se parece com meu livro favorito (Rebecca) =D

Trechos do livro: “Teria sido melhor nunca ter possuído uma casa como aquela, do que tê-la tido e perdê-la.” “…observava as modestas formas daquela ‘arte doméstica‘ pela qual sentira grande apreço antes de provar do fruto amargo da árvore proibida.” “…o ouvira muitas vezes dizer que gostaria imensamente que ela se interessasse por algo concreto.”

Quer Resenha? Clique Aqui.

Título Perfeito sobre a Guerra

réquiem
substantivo masculino
  1. 1.
    litur prece que a Igreja faz para os mortos.
  2. 2.
    mús composição sobre o texto litúrgico da missa dos mortos cujo introito começa com as palavras latinas requiem aeternam (‘repouso eterno’).

requiemwar japan

Esta edição do livro Rèquiem da autora japonesa Shizuko Go, de 1972, recebeu o Prêmio Akutagawa um ano após seu lançamento. Em 141 páginas o narrador nos mostra a correspondência de duas adolescentes no período de guerra. Uma, é fiel às doutrinas de seu país e quer dar a vida e lutar. A outra é filha de um pai que viveu no país inimigo e lhe trouxe a literatura como fuga e como ensinamento. E uma tenta ensinar à outra aquilo que cada uma possui: uma incentiva a continuar a estudar e trabalhar pelo Japão. A outra empresta livros e fala como eles são maravilhosos.

Claro que é um drama de guerra, sem final feliz, mas postei no Twitter que me identifiquei com a personagem que gosta dos mesmos livros que eu! ♥♥♥

Trechos do livro: “…a guerra é como se fosse uma tempestade. Ela chega…estraga sua vida e, de repente, some, desaparece,acaba. …Você e eu estamos na mesma posição; dois indivíduos presos nas armadilhas do sistema.” “A única coisa que a mantinha viva era a certeza de que, brevemente, ela também morreria.” “Emboram tivessem uma vida inteira pela frente, conversavam como se fossem duas velhas…”

Quer Resenha? Clique Aqui.

Livros que falam de Livros =)

os-livros-que-devoraram-meu-pai-afonso-cruz

A história de Os Livros que Devoraram Meu Pai do premiado autor e ilustrador português Afonso Cruz com 111 páginas  conta a história de um menino que perdeu o pai para um livro: ao ler uma história, ele sumiu dentro das páginas e nunca mais foi encontrado.

O livro ganhou o Prêmio Literário Maria Rosa Colaço; é cheio de citações de obras literárias e não deveria ter selo infanto-juvenil, só porque é contado por um menino de doze anos.

Trechos do livro: “A vida, muitas vezes, não tem consideração nenhuma por aquilo de que gostamos.” “…perdi-me como você se perde livro adentro. Ao ponto de não ter certeza de não ser, na realidade, um chinês que sonhou ser uma borboleta…

Quer resenha? Clique Aqui.

Transtornos da Mente

 

O livro O Apanhador no Campo de Centeio do escritor J.D. Salinger, com 205 páginas, mostra um aluno adolescente com TOC, transtorno obsessivo compulsivo, que pode ter outros nomes. Na escola em que trabalho, tem uma aluna com dez anos que tem esse mesmo linguajar:”detesto estudar, escola horrível, professor chato, droga de vida”. Nada está bom pra ela. Nunca sorri. Fiquei o tempo todo com pena do adolescente e com raiva dos pais, que não acompanham seus passos, para ajudá-lo a sair disso. É o primeiro livro que leio sobre pessoas especiais, que é contada do ponto de vista do doente, que não sabe que é doente. Até aparece um colega que o aconselha a procurar um psiquiatra. E o gatilho que dispara essa vontade de melhorar, é ver a sua irmãzinha num carrossel.

Quer resenha? Clique Aqui.

Em vários textos sobre o autor, diz que ele não autorizou um filme sobre o livro, mas existem vários trailers de filme no youtube.

 

 

 

Quem Lê Dicionários? ¬\_(“/)_/¬

dicionario milorad

O livro “O Dicionário Kazar – Romance Enciclopédia em 100.000 Palavras – Edição Feminina” do autor Milorad Pavitch com 298 páginas nesta edição de 1989, é dividido em três livros representando as três grandes religiões: O Livro Vermelho, mostra o dicionário na visão do Cristianismo ; o Livro Verde do Islamismo ͼ; o Livro Amarelo do Judaísmo۞. O autor da Iugoslávia, especialista em Barroco é Mestre em  Literatura. A história….não há uma só história: como nos contos das mil e uma noites, várias histórias são contadas de formas diferentes em cada Livro. Algumas histórias são interessantes, algumas sem noção. Apesar dos três personagens, um de cada religião, este não é um livro religioso, pelo contrário, trata todas como uma só. E aqui, nasce os Caçadores de Sonhos.

Quer Resenha? Clique Aqui.

Trechos do Livro: “Conta-se que fala espanhol em sonho, mas este seu saber dissipa-se assim que acorda.” “…agora ele está separado do mundo por muralhas e manuscritos. Eu, que sou dotado para as cores, a tinta e as letras, reconheço cada tipo impresso pelo cheiro, durante as noites úmidas, deitado no meu canto, leio então com meu olfato, páginas inteiras desses rolos selados que jazem em algum lugar no sótão da torre.” “A paixão de olhar e de escutar e de ler é mais importante que a paixão de pintar, de cantar ou de escrever.” “Dizia para si mesmo que esse edifício parecia um livro escrito numa língua que ele ainda não aprendera, que os corredores pareciam frases nesta língua estrangeira, e as salas, palavras nunca ouvidas.”

Sou especial? :/

A grande sacada do livro Passarinha da autora Kathryn Erskine, é contar a história na visão da própria criança. Em 224 páginas, a protagonista, que tem Sindrome de Asperger – uma forma de autismo – perde seu irmão mais velho, que a orientava na vida, para a violência: ele estudava em uma escola que foi alvo de atentado. Mas não é a história dele, nem da família e comunidade que tenta se reestabelecer, mas sobre uma criança, que tenta sozinha, se localizar nesse mundo esquisito chamado escola. É mais sobre como aceitar as diferenças, já que somos todos especiais. =D

Me identifiquei com a personagem, porque como ela, eu nunca fui muito sociável, não gostava do recreio, nunca fiz amigos no ensino fundamental… Vale a pena a leitura!

Quer resenha? Clique Aqui.

Trechos do livro: “O bom dos livros é que as coisas do lado de dentro não mudam. As pessoas dizem que não se pode julgar um livropela capa…mas a capa diz exatamente o que tem dentro.” “Livros não são como pessoas. Livros são seguros.”

O objeto livro: a capa mostra uma menina em um ninho – remete à idéia de se esconder, o que a personagem faz dentro de um armário. A ausência de cor remete ao texto em que a personagem diz não gostar de cores. Mas o título e a tradução….mesmo com uma nota inicial da tradutora dizendo porque escolheu traduzir assim, acho que alguns títulos deveriam se manter no original. Porque Mockingbird é apenas um passarinho e título de um filme que a personagem gosta. E não significa que ela se identifique com a ave.

Mockingbird

Sobre o Japão…

Quer saber as histórias do japão sobre a ótica japonesa? Leia Musashi. :/

O livro O Samurai de Shusaku Endo, com 350 páginas escritas como ele mesmo diz “Nenhuma outra nação do mundo é tão desinteressada e apática em relação a qualquer coisa além de …lucros mundanos.” A escrita é desinteressante. Muito lenta, nada acontece. Só a ambição do padre, que dura até quase às últimas páginas é que empolga um pouco. Mas não é bem desenvolvida, já que é contada do ponto de vista do próprio. Já a vida dos emissários japoneses que são enviados à Espanha, na era feudal, depois abandonados pelo seu governo, é contada sobre o ponto de vista do narrador.

Trechos do livro: “…estive no Japão…pessoas tão desprovidas de franqueza, pois julgam uma virtude não permitir que alguém saiba o que estão pensando.” “Felicidade? Sua espécie de verdadeira felicidade é intensa demais para o Japão. Um remédio forte torna-se veneno no corpo de certas pessoas.”

Quer Resenha? Clique Aqui.

Tem um filme novo, baseado no livro Silencio do mesmo autor (mesma história desse livro pelo que eu li)

silencio_20170104_pc