De onde viemos…de verdade? :/

origem

“A ORIGINALIDADE CONSISTE EM VOLTAR ÀS ORIGENS.” Antoni Gaudi

O livro Origem de Dan Brown, é uma volta aos suspenses de conspiração religiosa, como ele se tornou mais conhecido em outras partes do mundo. A capa do livro (Michael J. Windsor) remete à  várias citações : um olho, muito citado no livro, uma escada espiral, a cor azul internacional Klein (evoca imaterialidade e ilimitabilidade), a espiral de Arquimedes, a sequência de Finabonacci, a abertura do órgão feminino, o símbolo arroba (@).

Esse livro conta a história de um ateu que resolve provar de onde a vida se originou, usando a mistura de ciência e tecnologia. E para isso ele usa a intenet pra espalhar notícias, falsas e verdadeiras e tornar o evento de falar sobre suas descobertas, um show de tecnologia.

A pesquisa de Dan Brown sobre os diversos assuntos tratados no livro é, no mínimo, curiosa. Ele fala de religião, mais profundamente sobre uma vertente da católica. Ele fala muito sobre Arte, talvez por ser casado com uma artista. Ele fala muito sobre pesquisas científicas, alienígenas e sobre tecnologia e William Blake. Consegue misturar isso tudo num esquema de gato-e-rato dos personagens principais -o famoso Professor Langdon e sua parceira uma jornalista- com a família real espanhola!!!!

Parece um roteiro de filme de aventura e acho que vai funcionar muito bem para um cinema. O texto é todo sobre uma revelação, religiosos querendo esconder essa revelação, e não há um verdadeiro motivo pra isso, então o autor decide mudar o final -como uma opção alternativa- e todas as teorias do possível motivo, não acontecem e um personagem até diz algo como ” fiz tanto pra que o comunicado oficial dele não viesse à tona, e ele mudou o comunicado.”

Trechos do Livro: “…ciência e religião não competem, são duas linguagens diferentes tentando contar a mesma história.” “…parecia algo saído de uma alucinação alienígena: uma colagem rodopiante de formas metálicas retorcidas…massa caótica era coberta por mais de 30 mil placas de titânio que brilhavam como escamas de peixe…”

“…apesar de todos os esforços do seu Vaticano para silenciar homens como Galileu, a ciência dele acabou prevalecendo.” “Michelângelo é o padrão de ouro concebendo o Davi brilhantemente num contraponto efeminado , o pulso frouxo segurando uma funda flácida, revelando uma vulnerabilidade feminina…A obra é ao mesmo tempo delicada e mortífera.”

atalho pans

“…um mundo cujas leis físicas tornam as coisas aleatórias , e não organizadas…devo admitir que a existência da vida é o único misterio científico que já me levou a pensar  na idéia de um criador.” “Percebi que nosso planeta estava sendo habitado por uma coisa muito maior…rotulada como um reino inteiramente novo.”

deborah jäger

origem

Anúncios

uma história das arábias

o-rochedo-de-tanios-amin-maalouf-114477

O livro O Rochedo de Tânios do autor libanês Amin Maalouf, com 263 páginas tem uma proposta diferente: é um relato de um ancião de uma cidade sobre o sumiço de um “herói”, e também fragmentos dos livros que contam a lenda desse sumiço. Contado em primeira pessoa por este “relator”, não traz nenhuma novidade durante a narrativa. Não existe um clímax para a história. Quando acontece alguma coisa importante que poderia fazer o leitor ficar interessado em saber o final, o relator diz “…mas como vemos lá na frente, isso não aconteceu…”

Na página cem acontece um crime, por causa de ciúmes. Mas nem a narrativa da fuga causa empolgação, porque dura só uma página. =/    E poderia ter muitos mistérios já que se passa no Oriente Médio.

Quer resenha? Clique Aqui.

 

Volta ao mundo, lendo livros =D

vanvan1

Este ano tive a oportunidade de ler livros de vários autores, de vários lugares do mundo e também histórias que se passam em lugares diferentes.

Este livro sobre o artista Rembrandt,  Van Rijn da autora Sarah Emily Maino, mistura ficção e realidade  em 441 páginas. A história de um rapaz que não quer seguir os passos de seu pai e continuar publicando mapas. Ele quer editar seu próprio livro na distante Amsterdã do século XVII e escolhe um pintor obscuro para seguir e descobrir os mistérios de sua vida e os segredos de suas obras. A diagramação também tem um diferencial: o diário de Rembrandt é escrito em itálico e a história de como o rapaz/editor chegou até ele, em letras normais, mas em formato de peça de teatro; também temos versos e poesias na obra; temos algumas crônicas avulsas; citações bíblicas; temos cartas trocadas entre os personagens; temos listas de tarefas ou de compras; alguns capítulos possui o título no latim original; e também muitos capítulos dedicados à filosofia e à arte. O livro também fala de técnicas de pintura e de religião, talvez porque a maioria dos quadros descritos, são versões para passagens bíblicas. Gosto de ler sobre esse período e a autora fez uma pesquisa muito boa e ganhou um prêmio por este livro. Acho que a edição ficou devendo alguns dos belos quadros do pintor.

 

Primeiras histórias

heresia

Livros que se passam no Sec XVI, romance histórico, suspense, conspiração religiosa, personagens dúbios – tudo que faz uma boa trama. Gosto da série de livros do Irmão Cadfael da autora Ellis Peters; gosto do Umberto Eco em O Nome da Rosa e O Cemitério de Praga; gosto dos Crimes do Mosaico; gosto dos livros do John Sack; adorei  o livro da série Revelação do C. J. Sansom.  ❤

Esse livro de 2010, Heresia da autora S. J. Parris, com 360 páginas, é mais do mesmo, que eu gosto muito!! =D  Pretendo ler os outros livros, onde cada um tem uma história própria . O excomungado Giordano Bruno (personagem real) vai pra Universidade de Oxford cumprir o papel de espião e descobrir toda a conspiração para derrubar a rainha do trono. É a primeira vez que leio este tipo de história na “voz” de uma mulher.  A autora fez uma profunda pesquisa sobre a vida de Giordano Bruno um monge excomungado pelo Papa e todo o contexto político e religioso da época em que ele viveu.

Quer resenha? Clique Aqui.

Trecho do livro: “Hoje a fé e a política são uma coisa só – disse ele – Talvez tenha sido sempre assim, mas é algo que parece haver atingido novos extremos em nosso século conturbado..”

História paralela que vale a pena :/

História de ficção envolvendo religião, política e romance, se passa em 1230, onde o sequestro dos restos mortais de Francisco e a ocultação do ato, pode revelar que a fé não está baseada na verdade, mas em fatos criados pela alta cúpula da igreja. Escrito por John Sack, com 440 páginas, o romance detalha muito das regras e livros religiosos, citados em latim, o que faz com que a história se arraste. O outro núcleo da história, muito mais interessante envolve uma mocinha com desejo de vingança do bispo, culpado de fazê-la perder sua família, suas terras, sua inocência, sua infância. Depois que se apaixona, fica boba como qualquer mocinha apaixonada, mas é o que vale na história, sem consistência no motivo de tanto mistério. Quer resenha? Clique Aqui.

Trechos do livro:”…comecei…com as sete habilidades intelectuais que são condições prévias para o estudo da teologia: o trivium – gramática, retórica e dialética – e o quadrivium – música, aritmética, geometria e astronomia.”

 

INICIANDO LEITURAS DE DEZEMBRO

7a68a3c41aa1da00669b0a1b4fb069fa

Dezembro começou com muita chuva, então aproveitei para finalizar algumas leituras. 

O livro “As Observações, de Jane Harris”, é um livro que se passa na época vitoriana.

É um suspense, que deixa muito pro final do livro a resolução do quebra-cabeça. Resenha. Eu gostei e li bem rápido, apesar das 459 páginas.

 ASOBSE~1

 

O livro infantil “Ei, Tem alguém Aí?” do Jostein Gaarner, tem apenas 127 páginas, mas eu enrolei

pra ler. Motivo: eu estava curiosa, porque lí que ele foi inspirado no Pequeno Príncipe e… nada! Parece histórias pra crianças curiosas que perguntam sobre “como eu nasci, como meu irmãozinho não parece comigo” e por aí vai.

 4 - ei-tem-alguem

As 418 páginas do livro “A biblioteca do Geógrafo, de Jon Fasman”, foram vencidas rápidamente, pra matar a curiosidade de saber o final da história! Mas não tem final, e não é uma série, portanto…

Achei que ficou me devendo. Mas é um livro que vale a pena.

 a-biblioteca-do-geografo-jon-fasman_MLB-O-4173230058_042013

Estou lendo dois livros clássicos e sem pressa de terminar, então não sei se estes vão entrar pra minha lista de 2013. =^ ^=

Livro para ler em um dia: O Grito da Mãe Tigre. Eu li em um dia as 235 páginas. Achei a narrtiva fácil e recomendo. Resenha aqui. O Livro foi capa da

Revista Time e vários canais de televisão, entrevistaram a autora – e mãe – a chinesa/americana Amy Chua.

maetigrecapa-time1-232x300

 

PERSONAGEM ASSIM COMO EU

Capa Comer Rezar e Amar

Acho que a fé está no conhecimento. O texto sagrado é encontrado em sites de busca e se chama dicionário. Quando me sento pra estudar, os dedos correndo pelas linhas, o cheiro do livro trazendo antigas recordações, me sinto em paz. Quando me ajoelho até a última estante para pegar uma edição única, é como se estivesse fazendo uma prece.

Culturalmente sou cristã – toda igreja “evangélica” prega o Cristo. Teologicamente sou monoteísta.  Conheci várias denominações que não vivem o que pregam. Emocionalmente sou judia. Tem a ver com a história da família e a árvore genealógica. Ainda não consegui juntar tudo. Me identifico com o Uníssono. Mas não consigo achá-los nem na web.

“ainda não sei se quero filhos. Fiquei desesperada quando cheguei aos 30 e descobri que não queria mais tê-los. O prognóstico melhorou aos 40, mas as finanças não. Posso dizer que estou bem sozinha. Não vou ter filhos só pro caso de me arrepender. Isso não é uma motivação forte o suficiente para colocar mais crianças pobres no mundo. Também não quero perpetuar meu DNA. Não vale a pena.”