Uma saga da Era Vitoriana

O Livro das Crianças não é um livro infantil. Escrito em 2009 pela autora inglesa A.S. Byatt, o livro de 671 páginas conta a história de Olive, uma senhora casada e com vários filhos em 1895. Uma novidade é que ela bancava a família com seu ofício de escritora de histórias infantis. Cercada pelo mundo das artes e cultura, todos à sua volta são modernos. Ela escreve um livro pra cada filho. Ela pensa que cada um criou sua própria fantasia. A família tem vários segredos e sussurros. Uma trupe de atores alemães passa um tempo na propriedade e encenam uma peça que deixam todos meio que anestesiados. Todos acham que o alemão que cria as marionetes tem poderes místicos.

Uma turbulenta saga familiar que começa na Era Vitoriana e termina na guerra. A autora passa todas as informações políticas de cada período. Os personagens representam as classes familiares da Inglaterra do Séc. XIX. Tem o grupo das artes, atores, ceramistas, pintores, bordadeiras. Tem o grupo das feministas com mães solteiras que se apoiam, médicas. E tem as histórias que Olive escreve, histórias dentro da história.

As meninas Fludd me lembram “as virgens suicidas”. O narrador é onisciente mas deixa dúvidas quanto ao sentimento dos personagens. Nas duas últimas partes do livro me pareceu que a autora quis incluir toda sua pesquisa e a história fictícia se mistura com os relatos históricos, transformando em um livro acadêmico. O livro tem muitas notas de rodapé com informações da tradutora Elisa Nazarian.

A autora é premiada. Esse livro foi indicado para o Book Prize 2009.

Trechos do Livro: “…tendo sido educada na atmosfera fabiana de uma justiça social racional, foi forçada a admitir que não tina ‘direito’ de se sentir infeliz, uma vez que era excessivamente privilegiada. ” “Sua mãe era uma boa e temente luterana que despendia tempo e dinheiro visitando hospitais para os pobres, organizando bazares e juntando roupas. Mas ela comia em porcelana Meissen, com colheres de prata. Havia inconsistências terríveis.” “Sentiu prazer também na inerte solidez das vidraças e da mobília polida, na fileira de livros arrumados à sua volta…”

História Italiana

51MXVoRbihL

O livro O Leopardo do autor italiano Tomasi Di Lampedusa é um clássico ďos anos 60, contando a versão romanceada de fatos reais da história italiana. Muita trama política e religiosa numa história que começa em 1860 e vai até 1910, contando um pouco da vida do Príncipe Fabrizio e seu séquito. Fiquei meio decepcionada com a trama, por ter assistido ao filme do diretor Luchino Visconti filmado em 1963, que coloca o personagem do ator Alan Delon como principal. No livro ele quase não aparece, apenas serve de ponte para as histórias do Príncipe. Mas o autor era um crítico literário então ele escreve muito bem, fez uma pesquisa histórica para descrever os fatos políticos, apesar de demonstrar não querer falar mal de seu país.

Trechos do Livro: “Esperava que Tancredi também os notasse e que se desagradasse perante esses traços reveladores de uma diferença de educação. Trancredi já os havia notado mas, infelizmente, sem resultado. Deixava-se arrastar pelo estímulo físico que aquela belíssima mulher oferecia à sua juventude fogosa e, digamos, ainda pela excitação dos cálculos que aquela moça rica produzia em seu cérebro de homem pobre e ambicioso.”

O filme no original  Il Gattopardo é um premiado filme de 1963 do diretor italiano Luchino Visconti, e estrelado por Burt LancasterClaudia CardinaleAlain Delon e Mario Girotti (Terence Hill) entre outros, o filme foi o vencedor da Palma de Ouro do Festival de Cannes, no ano de seu lançamento. 

O filme recria a atmosfera vivida nos palácios da aristocracia durante o conturbado reinado de Francisco II das Duas Sicílias e o Risorgimento – longo processo de unificação dos Estados autônomos que originaram o Reino de Itália, em 1870. Essa parte é bem fiel ao texto do romance e o cenário político italiano é reconstituído com o intuito de interferir em dilemas dos personagens ficcionais.

O amor nos tempos de guerra

O livro A Professora de Piano da autora chinesa Janice Y. K. Lee conta em 382 páginas a história de um casal inglês nos anos 40, que acaba de se conhecer e casar, vai morar na China do pós guerra, onde o marido vai trabalhar na reforma dos dutos de água. Ela, uma mocinha inglesa fútil, fica andando pelas feiras e conhecendo o lugar. Nos encontros com as esposas dos outros ingleses, que já moram lá há mais tempo, ela fica sabendo que pode dar aulas para as filhas dos chineses ricos. Mesmo sabendo só o básico de piano, torna-se professora da filha de um rico negociante chinês. Seu tempo ocioso faz com que arranje um amante, um inglês que mora tanto tempo na China, que se passa por um deles. Ela gosta do marido dócil. Ela gosta do “chinês” que a trata friamente.

A segunda história é da epoca da guerra entre China e Japão, onde descreve os soldados japoneses em detalhes brutais e selvagens.

No final as duas histórias se cruzam de forma já esperada e não há um verdadeiro mistério a ser revelado.

Trechos do Livro: “Eles tinham opiniões sobre política, haviam lido livros dos quais ela jamais ouvira falar e visto filmes estrangeiros, sobre os quais conversavam muito seguros de si.” “_Mas parece um comportamento fora das leis da lógica. _Tudo o que tem a ver com mulheres é fora das leis da lógica.” “Em tempos assim você se preocupa com as coisas básicas: o que comer, onde cagar, encontrar um lugar para dormir. É isso que o impede de ficar maluco.” “Todo mundo só quer viver a própria vida em paz, ganhar um dinheirinho, fazer um amorzinho, morrer com um pouco de comida na barriga. Só isso.”

Uma novela alemã

O livro A Menina Com A Lagartixa do autor alemão Bernhard Schlink é considerado uma novela com suas 93 páginas. Mostrando os reflexos do final da guerra, a história conta sobre um menino que se apaixona pela menina em um quadro do escritório de seu pai. Ao crescer descobre que o quadro tem um segredo que não pode vir à público. Isso faz com que o rapaz esconda o quadro debaixo da cama ao levar as namoradas em seu quarto. Após a morte do pai ele até pensa em vender o quadro, mas ao descobrir a verdadeira história por trás da posse do mesmo, ele desiste.

Contendo figuras reais entre os artistas fictícios, o autor conta fatos reais como a destruição das obras de arte durante a guerra.

Baseado em fatos verídicos

O livro O Planalto e A Estepe do autor angolano Pepetela, conta uma história de um amor proibido entre dois estudantes na Rússia. Ele angolano de olhos azuis; ela filha do ministro da Mongólia. Em 188 páginas recheadas de guerra e idealismo juvenil nos anos 60, em que os povos lutavam para ser “como um só”. Julio ama Sarangel e quer se casar com ela. Mas as questões políticas os afastam. Ele, ganhador de uma bolsa para estudar em Moscou, passa o tempo namorando e engravida a menina. O ministro toma as rédeas da situação e a afasta de Moscou, levando-a de volta pra Mongólia. Ele faz de tudo pra reencontrá-la, mas nem as pessoas influentes que ele conhece, conseguem ajudá-lo. Então ele vai pra guerra, descobre a realidade por trás da utopia, que as idéias são boas mas não sobrevivem à prática.

O livro é bom, bem escrito, bem focado, sem dispersão. E com poesia. Mas…

⚠️Spoiler: o personagem principal é muito sem noção: criança ele prefere andar com os negros, porque não é racista. Mas o que parece é que ele faz isso porque eles o tratam como superior, o que os colegas não fazem. Quando jovem briga com a família e nem pensa na guerra que eles estão vivendo lá na África. E passa páginas tentando convencer o leitor que ele só queria sua filha e sua mulher porque ele se importa com a família. Ele não dá valor as próprias conquistas, porque quer se vingar do pai da Sarangel tendo ela de volta. Parece uma criança de quem tiraram o doce. Dá até uma felicidade saber que ela se saiu bem: casou com um embaixador e teve dois filhos estudiosos com ele. Enquanto ele fazia criancices por aí.

Mas mesmo com um personagem sem noção, vale a pena a leitura.

Trechos do livro: “Foi mesmo a primeira música que aprendi a ouvir. Os ritmos variam, conforme a nuvem de chuva é mais grossa ou menos espessa, ou conforme a força e direção do vento. ” ” O tempo goza com a nossa estúpida vaidade, passa por nós como um foguete, nos torna seus escravo.” “Mas eu não era amigo dos pretos por serem pretos, nem via bem as cores…era amigo dos meus amigos…” “Quando a gente é pequena, só o dinheiro faz horizontes se abrirem.” “Só para os profetas e os escritores as palavras são sagrados.” “…ela não vai saber que o nosso relacionamento começou com uma mentira sem gravidade. Há quem jure, uma relação sã só admite a verdade.” “Parecia um bicho defendendo seu espaço, ah, a emancipação das mulheres, estudávamos…mas era algo teórico.” “…não acontecerá nada porque não reparamos neles. Se repararmos nesses bizarros estudantes e fizermos qualquer coisa contra ou a favor deles, aí sim, eles passam a existir realmente e os problemas se tornam também reais”.

Sobre a Política

principe

O famoso livro O Príncipe de Nicolau Maquiavel, tem a fama de ser amoral e só fazer juz à traição, inveja, orgulho, mas é apenas ficção, uma carta em forma de conselhos para um jovem príncipe sem experiência de guerras e reinos, inimigos e igreja, soldados e milícia. Então tornou-se um tratado de como o Estado deve proceder com seus subordinados de forma rígida. Mas ele têm boas idéias e usa as guerras e seus nobres como exemplo do que deu certo ou não e porque. Apesar do termo maquiavélico ser sinônimo de amoral e pérfido, na verdade o autor fala muito de ética no trato com seus súditos. Esta edição possui, em 165 páginas, uma introdução escrita pelo tradutor Antonio D’Elia que explica um pouco sobre o período em que o livro foi escrito, o que se passava na Europa, especificamente na Itália. O Cinquetento, conhecido como o século negro e vergonhoso para a Itália em todas as áreas: artes, religião, literatura. “O leitor não sente a transição entre passado e presente, entre o tom argumentativo e o tom exemplificativo, tão bem ajustadas estão as peças da exposição”. 

Trechos do Livro:  “…É muito fácil mantê-los, principalmente quando não estão afeitos a existir com independência…”

O Primeiro Grego a Gente Esquece?

livro-os-irmos-inimigos-nikos-kazantzakis-D_NQ_NP_784246-MLB25782487353_072017-F

O livro Os Irmãos Inimigos (The Fraticides) do autor e filósofo grego Nikos Kazantzakis, conta em 257 páginas a história de um frade que durante a guerra na Grécia, tenta convencer os guerrilheiros que se eles retirarem sua boinas, vermelhas dos soldados e negras dos rebeldes, eles são todos irmãos, filhos da mesma pátria; e que sua missão é mostrar que aquela luta pela liberdade não têm sentido se continuarem se matando uns aos outros. Ninguém quer ouvir suas palavras religiosas: os soldados porque acham que devem matar, o povo da aldeia miserável porque está passando fome. A brincadeira de mau-gosto que alguém faz inventando que a guerra tinha acabado, deixando o povo comemorar pra depois gritar “primeiro de abril” é de partir o coração!

O autor foi um socialista militante, que passou a infância em plena guerra que a Grécia travou contra a invasão dos turcos. Muito de suas experiências estão nos seus livros. Como a história gira em torno de um religioso que vê seu filho se unir aos traidores, têm muitas páginas de cenas religiosas, celebrações, imagens, santos, orações, um pouco cansativas, mas o final parece cena de filme. 😉  A história do padre que leva um cinto da virgem de vila em vila pedindo dinheiro é a melhor parte do livro! =D

Trechos do Livro: ” Raramente…uma gargalhada ressoava…Parecia fato tão anormal que alcançava proporções de sacrilégio.” “Quando…pope vinha casá-los, não tinham palavras de carinho para trocar…metiam-se sob os cobertores de lã grosseira com uma única idéia: gerar crianças para legar essas pedras, essas montanhas, essa fome.” “É o crânio de São Kerikos – afirmou o monge…poucos dias após, apresentaram-lhe outra cabeça, muito maior:-é o crânio de São Kerikos.-Era menor. – vai ver ele cresceu.” “Somos apenas metatipos, deixamos de ser macacos e ainda não nos convertemos em sêres humanos: vacilamos num ponto intermediário.” “Que ímpeto, que juventude! Como posso exigir que uma mulher com um corpo desses seja virtuosa?” “Já que não querem ser livres de bom grado, nós os libertaremos à força…”