Política e Religião

O livro A Cruzada Das Trevas do autor italiano Giulio Leoni conta em 400 páginas um mistério que acontece na cidade de Roma em 1301. Várias prostitutas são encontradas mortas no rio que divide a cidade. Bonifácio está no poder e tem muitos inimigos. A guerra está no ar entre a população pobre e os nobres. O clero já não consegue impor o temor no povo. O poeta Dante Alighieri vem de Florença para Roma para negociar com Bonifácio. E se depara com a morte da prostituta que ninguém quer investigar e promete pra mãe da moça que vai procurar o culpado. Então é convidado pelo senador Spada a participar de uma viagem, uma cruzada para descobrir novos caminhos em Roma. Ao conhecer a bela Fiamma filha do senador, se apaixona e põe todos os objetivos de lado para segui-la.

⚠️ Spoiler!!

Problemas: na página 80 eu já havia descoberto todo o mistério dos corpos das prostitutas, que só é desvendado nas cem últimas páginas. O poeta tem uma cena de “vergonha alheia” quando participa de uma batalha para o qual não está apto. A resposta para tudo é que faz parte de um ritual antigo.

Trechos do Livro: “Debaixo de uma chuva de fogos, ardente como haviam sido ardentes suas paixões…Uma culpa feita de violência e delicadeza, amor e desespero de quem adultera no próprio corpo a ordem da natureza e em compensação procura adulterá-la também nos outros.” “A poesia era a arte dos homens…nunca nasce da comoção convulsa dos sentidos, mas do desejo de ascender, do anseio da mente de conformar-se com aquilo que reconhece superior.”

ACHO QUE EU JÁ LI ESSA HISTÓRIA…. =/

Semana de suspenses, histórias contadas à beira da urgência. Estou nesse ritmo! 🙂

Os Crimes do Mosaico,  de Giulio Leoni, 379 páginas, é um suspense que se passa na renascença italiana. Com todos os clichês possíveis, o autor escreve o necessário sem se deter em detalhes. E usa um narrador semi-onisciente, que te faz saber o acontece em várias partes da história. Um crime, a igreja católica, vários suspeitos e um final em aberto. Bom não é um final esperado. Em várias partes, parecia que eu já havia lido aquela parte.

Trecho do livro: “… não resta dúvida que a presença dela acende o calor dos corpos masculinos e os predispõe para a cópula. E isso ocorre em virtude dos raios luminosos que, irradiando de seu corpo, penetram nas cavidades oculares…é uma virtude própria da natureza feminina. Qualquer fêmea bem-proporcionada que se ofereça ao olhar do macho provoca a mesma  resposta…”

Quer resenha? Clique aqui.