#SpecialTips música alemã

#SpecialTips #3 de hoje é a dupla Pop alemã Ich+Ich com Adel Tawil e Anette Humpe já ganhou muitos prêmios de melhor duo, melhor canção e sempre é indicada nas aulas de alemão A1 com a canção “So soll es bleiben”, que eu cantei um semestre inteiro!

Vale a pena conhecer canções novas, sair da zona de conforto e ver como somos tão parecidos ao redor do mundo. Trecho da música:

“Abraçar-me
Leve-me para outro mundo
me acalmar
Diga  o que você pensa de mim
Dê-me sua energia
Eu estou aqui como um pobre na frente de você.”

O Bem mais precioso ♥♥♥♥♥

 

O livro Memória da Água da autora Emmi Itäranta, uma mestre em escrita criativa, que em 284 páginas, coloca a água como personagem principal nessa aventura dramática. De autora finlandesa que ficou entre os finalistas do Prêmio Philip K Dick Award com este livro, a história se passa num mundo futuro, parecido com o Japão do passado. Nesse mundo futuro a água é escassa, mas a história tem como cenário uma casa de chá, então um ítem necessário para a cerimônia.

O exército que distribui as cotas de água para a população, pinta um círculo azul na porta da casa de quem foi pego escondendo água – daí a capa do livro – e também o desenho dos dragões, que são vistod nas festas da Lua. Depois da morte de seu pai, a personagem da casa de chá, se vê obrigada a dividir sua água com pessoas da cidade e é descoberta pelos guardas. então o símbolo azul é pintado em sua porta e ela deixa sua história registrada.

Trechos do livro: “…nunca tinha ouvido um som reverberar assim, livre, impulsionado unicamente por sua própria força e vontade…ele me envolvia e me atraía, até que comecei ter a impressão de estar escutando por entre as paredes, dentro do escuro.”

Quer Resenha? Clique Aqui.

88d1e2eb39863480ee73e4e8ee00c5b2

Finalizando 2016

livros-e-eu

Este ano foi muito produtivo em termos de leitura. Fechei minha planilha com 67 livros lidos!! photophoto

Neste ano viajei por autores e histórias de vários países, também recebi visitantes de vários lugares:

paises-total

O menor livro lido tem apenas 40 páginas, mas uma história imensa. O maior livro tem 699 páginas que foram lidas num fim de semana!! 😀

Releituras, livros odiados, desperdício de tempo, livros amados, autores que se tornaram favoritos, histórias diferentes, infantis, mangás, HQ, adaptações, biografia, fatos reais, fantasia, terror, trilogias, nacionais, poesia, filmes, clássicos…De tudo um pouco que é pra manter a chama acesa!!  ❤

Que venha 2017!!

SAMSUNG CAMERA PICTURES

 

Volta ao mundo, lendo livros =D

vanvan1

Este ano tive a oportunidade de ler livros de vários autores, de vários lugares do mundo e também histórias que se passam em lugares diferentes.

Este livro sobre o artista Rembrandt,  Van Rijn da autora Sarah Emily Maino, mistura ficção e realidade  em 441 páginas. A história de um rapaz que não quer seguir os passos de seu pai e continuar publicando mapas. Ele quer editar seu próprio livro na distante Amsterdã do século XVII e escolhe um pintor obscuro para seguir e descobrir os mistérios de sua vida e os segredos de suas obras. A diagramação também tem um diferencial: o diário de Rembrandt é escrito em itálico e a história de como o rapaz/editor chegou até ele, em letras normais, mas em formato de peça de teatro; também temos versos e poesias na obra; temos algumas crônicas avulsas; citações bíblicas; temos cartas trocadas entre os personagens; temos listas de tarefas ou de compras; alguns capítulos possui o título no latim original; e também muitos capítulos dedicados à filosofia e à arte. O livro também fala de técnicas de pintura e de religião, talvez porque a maioria dos quadros descritos, são versões para passagens bíblicas. Gosto de ler sobre esse período e a autora fez uma pesquisa muito boa e ganhou um prêmio por este livro. Acho que a edição ficou devendo alguns dos belos quadros do pintor.

Suspense e mistério!!

arquivoexibir-aspx_pale

O Pálido Olho Azul, livro do autor Louis Bayard, com 426 páginas é um thriller de 2006, que começa com o testamento escrito de próprio punho pelo personagem principal. Ele decide narrar os fatos como aconteceram. Também existem capítulos que são narrativas de seu amigo e ajudante de detetive Edgar Alan Poe – esse mesmo, o poeta. Como todo bom suspense, começa com uma morte e sem um suspeito, e labirintos de buscas e caminhos que levam à outros caminhos, e o surpreendente final, porque ultimamente leio livros que deixam um mistério no ar: esse vai sendo escrito mesmo após o desfecho do crime, da punição do assassino, de todas as pontas soltas estarem unidas. E aí, pah! Vem um novo ponto de vista que muda toda a trama! Gostei da escrita, gostei das insinuações que fazem o leitor pensar; claro que tem passagens inverossímeis, difíceis de se tornar real, mas até isso faz parte do sobrenatural que envolve a história. Gosto de livros com começo, meio e fim.

E o título tem tudo a ver com o poema que vai desvendar a história. =)

Quer resenha? Clique Aqui.

Outra forma de contar uma história

Ana e Pedro - Cartas

Quem cresceu nos anos 80 já passou pela experiência MARAVILHOSA de se corresponder por meio de cartas! O livro Ana e Pedro – cartas é um novo conceito de se contar uma história. Os autores Vivina de Assis, de São Paulo e Ronald Claver de Minas Gerais criaram dois personagens e uma correspondência real entre eles: trocaram cartas desses personagens durante um tempo e transformaram em livro. Idéia boa e que funcionou muito bem nesse caso. A história de 84 páginas não tem começo – bem, tem a primeira carta – e você usa a imaginação para dar um fim à história de dois adolescentes que tentam transmitir emoções em palavras escritas. Vale a pena ler. =)

Quer resenha? Clique Aqui.

tumblr_laq6weryvb1qat4y0o1_400_large

Romance em forma de Poesia

livro-janela-do-sonho-patricia-bins-421011-MLB20450829787_102015-F

O livro de 1986 Janela do Sonho, da autora Patricia Bins, com 144 páginas, pode ser lido solo, mas é o último volume da Trilogia da Solidão. Li apenas este, porque estou tentando ler mais autores nacionais contemporâneos. Ela tem uma forma poética/dramática de contar a história da derrocada da família de Maria, o abandono de seu marido, o suicídio de sua filha, o casamento fracassado de seu filho, a revolução nas ruas de seu bairro e sua casa caindo aos pedaços. A capa é um óleo sobre tela de Ado Malagoli. Não combina com a história, mas é bela.

Trechos do livro: “…parei desde criança para a luta, para a conquista de posições justas e humanas. Filho de gente humilde, conheci na carne o câncer social…talvez por isso ainda não tenha tido tempo de amar uma única mulher. Não acredito em casamento  institucional ou em “tradição, família e propriedade” nos moldes atuais.”