Livro Ilustrado

 

paulo livro-palavras-essenciais-paulo-coelho-D_NQ_NP_737721-MLB20835740081_072016-O

O livro ilustrado Palavras Essenciais com frases do autor nacional Paulo Coelho, com 104 páginas, com aquarelas de Ana Cenzato, trás textos de vários livros do autor. Dividido em sete capítulos que são denominados: Os Sonhos, O Amor, A Sabedoria, A Felicidade, Viver a Vida como uma Aventura, O Destino, Deus, Ser um Guerreiro da Luz.

Eu li quase todos os livros do autor na minha adolescência, e gostava de fazer parte daquela fase de livros místicos. não sei se gostaria das histórias novamente, mas alguns textos desse livro, são ótimos. Vale a leitura, vale os desenhos.

Nesse período de tão grande intolerância, de todas as formas, a página 88 trás a mais perfeita pintura e texto:

paulo1

De Novo? A escolha da tradução :/

 

O Livro de Graham Greene com 158 páginas deveria obedecer o título original e se chamar “O Capitão e o Inimigo”. Me recuso a entender a escolha do título em português. É exatamente para não ser encontrado pelo inimigos que o Capitão muda de nome, mas qual ele está usando não é importante, já que na história, ele é apenas “o Capitão”. Principalmente para o narrador, que agora que é jornalista adulto, quer escrever a história desse personagem misterioso que conheceu quando criança. Mas se tem algum mistério no livro, ele não é desvendado para o narrador.

Difícil achar uma resenha para esse livro: “Liza é um ersonagem épico” (?) “…a parte do Panamá…tramas de espionagem de forma sutil” (?) “…grande clássico de caráter universal primordial para a educação. Possui texto de fácil entendimento que estimula o leitor a pensar e refletir sobre o tema proposto.” (?) 

O livro é contado pelo personagem Jim/Victor – todo mundo tem mais de um nome no livro – desde a visita do Capitão na sua escola, lugar que odeia porque sofre bullying, e o leva embora, pra morar com uma mulher chamada Liza – pessoa com sérios disturbios, causados por um aborto mal-sucedido. Seu verdadeiro pai e sua tia, vão visitá-lo, mas o deixam morar lá mesmo. E ele e Liza tem uma boa convivência até ele se tornar rapaz, arrumar um estágio num jornal e sair de casa. Essa casa é um porão de um prédio prestes a ser demolido. O Capitão tem uma paixão platônica por Liza, e em suas viagens/fugas, ele lhe envia cartas apaixonadas. Depois da morte de Liza, Juim vai atrás do Capitão no Panamá, para descobrir quem ele realmente é. Mas ele também morre e nós os leitores nos sentimos traídos…

TAG NACIONAL!! =D

tag imagem

Esta Tag foi criado por mim, que amo livros nacionais e vejo poucas Tags indicando livros nacionais. Porque Tag serve pra isso: me dar dicas de livros! =)

Acima você pode ver de onde tirei minha inspiração! ♥♥♥

TAG BRASILEIRINHO

1-Livro Nacional de Aventura: – Toda a coleção Vaga-Lume, escolhendo Um Cadáver Ouve Rádio do Marcos Rey.

2-Livro Nacional de Poesia: Tesouro da Casa Velha, Cora Coralina

3-Livro Nacional que não conseguiu parar: O Manuscrito de Mediavilla, do Isaias Pessoti

4-Livro Nacional mais antigo na estante: Esaú e Jacó do Machado de Assis, numa edição de 1962.

5-Livro Naconal que parou de ler: Grandes Sertões. :/  Já comecei várias vezes.

6-Livro Nacional inesquecível:  Senhora, de José de Alencar. O empoderamento feminino, na sociedade patriarcal.

Fique à vontade para responder! =)

 

…se sentindo incomodada :/

O que me incomodou….foi o título!! Porque não manter o título original: Três Histórias? Será por causa do conto do jogo de xadrez? Mas o importante ali não era o combate, ou ganhar, ou perder. Porque todos perdem no final.

Mas com certeza o livro Drei Geschchten, do autor Patrick Süskind com 86 páginas, vai se tornar o favorito do ano!!! Que delícia de leitura!! Livro pra ler em um só dia!!

Reclamações: um dos contos, sobre moluscos, é meio filosófico, com detalhes “técnicos” e tenho que ler novamente pra definir se vale a pena.

Trecho do livro: “O que vou te dizer agora é inaudito, e quando eu tiver aberto os teus olhos verás um mundo novo e não poderás mais continuar vendo como antes. Esse mundo novo será horrendo e angustiante. Não alimentes a ilusão de que possa restar qualquer esperança ou consolo para ti, a não ser que agora conheces a verdade e que essa verdade é absoluta.” “A ignorância não é uma vergonha: para a maioria dos homens ela constitui a felicidade.”

O Fruto Proibido

Os-Espólios-de-Poynton

O livro Os Espólios de Poynton do autor Henry James me surpreendeu. Uma história em que os personagens mudam de hierarquiae passam de principais a secundários em poucas linhas. Em 218 páginas esta história escrita em 1897, mostra a guerra do noivo contra sua mãe, para ficar com a residência da família após seu casamento. O autor mostra a ironia da herança não ficar com a esposa viúva, mas com os filhos homens, na Inglaterra, e de regras que aconteciam no período em que o autor morou em terras britânicas.

O que é ruim? Ler o texto de apoio, já que ele conta toda a história.

O que é bom? o final se parece com meu livro favorito (Rebecca) =D

Trechos do livro: “Teria sido melhor nunca ter possuído uma casa como aquela, do que tê-la tido e perdê-la.” “…observava as modestas formas daquela ‘arte doméstica‘ pela qual sentira grande apreço antes de provar do fruto amargo da árvore proibida.” “…o ouvira muitas vezes dizer que gostaria imensamente que ela se interessasse por algo concreto.”

Quer Resenha? Clique Aqui.

Título Perfeito sobre a Guerra

réquiem
substantivo masculino
  1. 1.
    litur prece que a Igreja faz para os mortos.
  2. 2.
    mús composição sobre o texto litúrgico da missa dos mortos cujo introito começa com as palavras latinas requiem aeternam (‘repouso eterno’).

requiemwar japan

Esta edição do livro Rèquiem da autora japonesa Shizuko Go, de 1972, recebeu o Prêmio Akutagawa um ano após seu lançamento. Em 141 páginas o narrador nos mostra a correspondência de duas adolescentes no período de guerra. Uma, é fiel às doutrinas de seu país e quer dar a vida e lutar. A outra é filha de um pai que viveu no país inimigo e lhe trouxe a literatura como fuga e como ensinamento. E uma tenta ensinar à outra aquilo que cada uma possui: uma incentiva a continuar a estudar e trabalhar pelo Japão. A outra empresta livros e fala como eles são maravilhosos.

Claro que é um drama de guerra, sem final feliz, mas postei no Twitter que me identifiquei com a personagem que gosta dos mesmos livros que eu! ♥♥♥

Trechos do livro: “…a guerra é como se fosse uma tempestade. Ela chega…estraga sua vida e, de repente, some, desaparece,acaba. …Você e eu estamos na mesma posição; dois indivíduos presos nas armadilhas do sistema.” “A única coisa que a mantinha viva era a certeza de que, brevemente, ela também morreria.” “Emboram tivessem uma vida inteira pela frente, conversavam como se fossem duas velhas…”

Quer Resenha? Clique Aqui.

Um Clássico!

O livro clássico de J.Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby conta em apenas 221 páginas os romances e a forma de vida da sociedade rica da costa leste americana, na depressão pós guerra. As pessoas já não deixavam de fazer o que tinham vontade, porque a vida é curta. Então, o narrador é um jovem de cerca de 30 anos que é vizinho e conhece Gatsby e se envolve em torna da vida deste e de outro casal, cuja esposa é a moça por quem Gatsby é apaixonado. Mas ela é casada.

Não achei nehum personagem apaixonante – todos são superficiais. E ainda postei no twitter, que nas páginas 78 e 79, o autor cita tantos nomes de “famílias”, que quando chegou no número 49 eu parei de tentar entender quem era todo mundo. :/   Não são citações de pessoas famosas ou cultura pop. Mas depois a história foca no Gatsby, na visão que o narrador tem dele: no começo o detesta “…Assim a minha primeira impressão, de que ele era uma pessoa de uma certa …importância, aos poucos se dissipou e ele ficou sendo simplesmente, para mim, apenas o proprietário de uma mansão…situada ao lado da minha casa.”  Depois ele começa a gostar um pouco do vizinho: “Era um desses sorrizos raros, que têm em si algo de segurança eterna, um desses sorrizos com que a gente depare…cinco vezes na vida.”

Quer Resenha? Clique Aqui.

Já houve dois filmes, um com Robert Redford em 1974 e outra versão mais moderna com Leonardo Di Caprio de 2013. Assisti apenas essa última, mas quero ver a versão anterior, acho que é mais fiel ao livro.

grande-gatsby-filme-3-1