Uma Rebelião e um trono vazio.

O livro Cinco Destinos Sombrios da autora Kendare Blake conclui em 320 páginas a trilogia das três irmãs que se erguerão para enfrentar a névoa e a fúria das rainhas mortas, à medida que os segredos da história de Fennbirn forem revelados. A que foi coroada Rainha indevidamente, Katherine que é envenenadora, tem um reinado diferente do que ela sonhou, sua vida ficou um verdadeiro inferno, ela não se reconhece atacando pessoas que ama, como Pietry que está em coma porque ela o atacou. ela não sabe equilibrar tantas sombras, não sabe se Mirabella está ali realmente para ajudar. Será que as rainhas mortas terão cada vez mais força? coisa é certa: o destino da Ilha está nas mãos de suas três rainhas. E seus planos podem dar errado.

Achei que tudo o que devia acontecer desde o começo acontece nesse livro. A história tinha tudo pra enaltecer mulheres, que não são obrigadas a casar, são sempre as governantes, mas a competição feminina tirou todo o brilho que eu queria. Mas a premissa é a competição, está na sinopse, mas mesmo vendo que as regras anteriores não deram certo, mesmo assim elas continuam guerreando? Muito masculino isso. Queria ir por outro caminho!! Mas a autora escreve muito bem e fez o que quis com essa história.

Uma fada humana

O livro Glimmerglass da autora americana Jenna Black conta em 296 páginas a história da adolescente Dana Hathaway que não sabe nada sobre seu pai, mas vai acabar se metendo em apuros quando decide que quer ir embora de casa para encontrar seu misterioso pai na cidade de Avalon, o único lugar na Terra onde o mundo real e o mágico se encontram. Mas ela descobre que não é uma adolescente comum e que ela é uma faeriewalker, um individuo raro que pode viajar entre os dois mundos e a única no momento que pode levar magia ao mundo humano e tecnologia à cidade de Faerie. Mas ela não quer nada disso: ela quer parar de cuidar da mãe bêbada enquanto elas mudam de cidade em cidade. Só que os seres mágicos querem usar seu poder como uma marionete e ela é uma adolescente rebelde.

A história me lembrou várias outras histórias de fadas, ainda que nesse primeiro livro da trilogia ela ainda não está na cidade de Fairie. Mas a mãe bêbada que esconde os poderes da filha adolescente, me lembrou de Wake. Me irritou a adolescente que gosta de ler livros hot e que todo cara bonito tira o fôlego dela, mas quando o ser mágico e lindo beija ela, ela não gosta e fica com raiva. Tem seres querendo matá-la mas ela só pensa no corpo junto ao professor de auto-defesa durante às aulas. Contado na voz dela, esses pensamentos adolescentes incomodam. E tem álcool e abuso emocional acontecendo aqui.

Intervalo conveniente :/

O livro Dama da Névoa da autora americana Laura Sebastian conta em 402 páginas a continuação da história de Theo que agora é rainha. Quando Theodosia tinha apenas seis anos, sua mãe, a Rainha do Fogo, foi morta pelo kaiser. Ele tomou seu país e a manteve prisioneira, coroando-a como a Princesa das Cinzas e manipulando-a por dez anos.

Theo não usa mais uma coroa de cinzas que era muito diferente, original. Ela se apossou do título de rainha que pertencia a sua mãe, mas não tem um reino. Tentou fazer um refém: o prinz Søren, filho do kaiser, mascela gosta e confia nele. Agora ela está a milhares de quilômetros de distância no navio de sua tia, um capitão famoso por ser cruel.

Para recuperar o trono, ela precisa de um exército. Segundo sua tia, o temível pirata Dragonsbane, a única maneira de obter um é se casando com um príncipe de um reino rico. Ela vai nesses encontros esperando empatia dos pretendentes e descobre que eles querem algo do reino dela em troca e ela fica com raiva. (Aff!)

Ela tem 3 jovens amigos, muito pobres, sem conhecimento que ela leva para o meio de um ninho de cobras e quer ser responsável pelo que acontece com eles. (Aff!)

Me incomodou a cada 10 páginas ela fazer um pergunta e pensar “…Não sei se quero saber a resposta…”. Ela quer ser uma rainha, mas não tem experiência de comando. E não aceita ajuda de quem já tem experiência. (Aff!)

Ler é entrar no mundo dos Sonhos

O livro Um Estranho Sonhador da autora americana Laini Taylor conta em 544 páginas a história de Lazlo que é um dos muitos órfãos de guerra criados pelos monges, que sabe que é especial por ver magia. Lazlo sempre foi puxado para as histórias de fantasias e sobre a cidade de Lamento, uma cidade há muito tempo perdida, essa obsessão o tornou um bibliotecário. E mesmo passado tanto tempo, o seu único sonho, continuava a ser o de conhecer essa cidade cujo nome verdadeiro havia sido varrido da memória do mundo, e que o puxava de um forma como mágica trazendo para a cidade
os guerreiros que ele apenas conhecia dos livros, Lazlo vê então, suas histórias favoritas se tornarem realidade. Mas, a cidade que ele tanto venera, possui alguns segredos que podem mudar tudo que Lazlo pensou conhecer de si mesmo, e de sua história. Quando Lazlo Estranho conhece o Matador de Deuses (que está em busca de voluntários para sua comitiva), ele vê ali sua chance de deixar o mosteiro em que cresceu e finalmente conhecer a cidade de Lamento, por qual ele sempre foi obcecado pelos mistérios que a rondam. Ele, então, embarca numa jornada de amadurecimento, segredos, magia e sonhos com uma deusa azul. Na cidadela vivem os azuis e Sarai, que vive na cidadela com mais quatro crias dos deuses iguais a ela: azuis, poderosos e cheios de rancor pelo massacre feito pelo Matador de Deuses contra seu povo. Os caminhos de Lazlo e Sarai vão se cruzar na cidade de Lamento, e então uma história fantástica está prestes a acontecer. 

Adorei a série Daughter Smoke and Bone da autora e já estava com saudades dos anjos!! A história aqui não tem ação, não tem inimigos, apenas antiheróis. Mas é uma delícia de ler e lembrar dos personagens favoritos. A capa deveria ser mais bonita, essa não está à altura da história.

Uns livros dentro do livro

É a terceira vez que tento ler A Menina que Roubava livros do autor australiano Markus Zuzak que conta em 382 páginas a história de Liesel qie tem a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia a menina e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. A história se passa no período da guerra então tem o reich ditando ordens, cartões de racionamento de comida, muita fome entre as famílias pobres. E tinha os judeus.

Considerado um futuro clássico, o livro foi lançado no Brasil em fevereiro de 2007. A história da menina Liesel, que em meio à terrível Alemanha nazista encontra conforto no mundo dos livros, conquistou milhões de leitores, somando mais de 3 milhões de exemplares vendidos. Em 2014, a obra foi adaptada para os cinemas.

Não consegui me envolver com a história. Prefiro outros livros do autor. O narrador mudar a “voz” com que conta a história, alterando entre voz adulta e infantil me incomodou. As relações familiares das outras famílias são inexistentes então fica difícil criar empatia. As histórias dos livros contadas dentro da história não acrescentam. A tradução de centavo pra “fênigue” é de doer meu ouvidos. A narradora prevendo o final no início do livro nem incomoda. O título mente em parte, porque na página 339 seu amigo diz “…você não é ladra coisa nenhuma…” e realmente ela não rouba nenhum livro.

Cheio de Referências

O livro Darkdawn, do autor australiano Jay Kristoff, encerra a trilogia da Quasinoite em 704 páginas. O leitor sabe no início de Nevernight que Mia Corvere está morta e essa é uma história póstuma. É dito que Nevernight é o livro do nascimento de Mia, Godsgrave é o livro da sua vida e Darkdawn é o livro da sua morte. Aqui temos o cumprimento dessa profecia, não que Mia vai ceder fácil a ninguém, muito menos aos deuses. Antes de qualquer coisa, ela terá sua vingança contra Julius Scaeva, seu pai.

Toda essa explicação do que Mia é e o que ela precisa fazer foi jogada logo nos primeiros capítulos do livro. Após isso, mais da metade da história acompanhamos Mia tentando chegar na sede da Igreja Vermelha, que é onde se encontra seu inimigo, então se inicia uma outra jornada com seus amigos tentando sobreviver.

Das cinco partes do livro, três são focadas nessa longa viagem, pelo trisal nonsense, pela repetição de cenas e lembranças, e por essa travessia até a Igreja Vermelha ser caracterizada por nada de muito relevante, já que se sabe que não é ali que a profecia se cumpre.

As referências que me vieram à mente durante à leitura, me incomodaram, porque ainda estava fresca a imagem de elementos do Império Romano, onde os alunos do Enem estudaram a cena da água que invade o coliseum  pra batalhas navais. As irmãs do assassinato me lembraram das freiras assassinas de Grave Mercy, o menino morto me lembrou de Garotos Corvos, o gato das sombras me lembrou tanto do gato de Alice quanto de Dark Materials, quanto do lobo de Fitz ao dizer “somos um”. A alusão ao corvo me lembrou de Sombra e Ossos como também a tecelã que “conserta” as pessoas. O líquido negro escorrendo lembra Constantine. Então queria ver uma novidade, que o narrador estragou adiantando a novidade!! Mas vale a pena a leitura.

Fé +política = guerra

O livro A Magia da Aurora, finaliza a trilogia Ciclo Nessântico e conta o fechamento da história em 656 páginas. Agora já se passou muito tempo da ruptura entre Alessandra e seu filho, que ocupa o trono de Firenzia. Nessântico está prestes a viver seu momento mais sombrio. Atual ocupante do Trono do Sol, a kraljica Allesandra se vê obrigada a engolir o orgulho e possivelmente ceder o poder para o filho e rival político Jan, agora que a cidade está outra vez sob a ameaça dos tehuantinos, mesmo inimigo que deixou um rastro de destruição sem precedentes pelo reino, há mais de uma década. Allesandra precisa das tropas de Jan, mas talvez a salvação da cidade também dependa da revolucionária experimentação científica realizada por Varina, agora líder dos numetodos, os hereges que provocaram um cisma na Fé de Concénzia. Nesse tênue equilíbrio entre as forças políticas de Nessântico, surge Nico Morel, o líder carismático de um grupo de ténis, cuja visão ultrarradical vai abalar os cada vez mais frágeis alicerces religiosos de Nessântico. No encerramento do Ciclo Nessântico, volto à minha idéia de que essa história não é sobre personagens, mas sobre a cidade. Nessântico é a personagem principal, que se vê julgada por sua fé e invadida e destruída por fanáticos tehuatinos e numetodos. Nem a fé em Cenzi consegue salvar a cidade. Vale a pena a leitura.

Sci-fi e diversidade

O livro A Longa Viagem a um Pequeno Planeta Hostil da autora Becky Chambers, conta em 400 páginas a história de Rosemary, uma humana que está viajando em uma cápsula de subcamada em direção à nave Andarilha. Um pouco desorientada por estar viajando pelo espaço por muito tempo dentro de um cápsula e ansiosa por estar indo em direção ao seu novo emprego, Rosemary ainda precisa lidar com a angústia de ter subornado um funcionário do governo para conseguir um novo arquivo de identidade. Contado pelo ponto de vista dela, não conta o motivo da fuga. A humana que chegou à nave para ocupar a função de guarda-livros e colocar em ordem toda a papelada do Capitão Ashby, também humano, logo é introduzida ao ranzinza algaísta Artis Corbin somente para ser resgatada de sua rabugice por Sissix, uma aandriskana com garras, escamas brilhantes e penas verdes. Ainda vivem e trabalham na nave Kizzy, técnica mecânica; Jenks, técnico de computação; Dr. Chef, que é médico e chefe de cozinha; Oham; e Lovelace, a inteligência artificial responsável por toda a nave e suas particularidades.

Os temas que a autora mostra através dos personagens são interessantes: xenofobia, diferenças culturais e respeito, relacionamentos entre seres orgânicos e inorgânicos, relacionamentos entre espécies diferentes, um deles homossexual, lésbico. Tudo de forma leve apenas para situar a diferença de cada um.

SPOILER: achei confuso imaginar os personagens só pela descrição e raça. Tive que olhar na internet. Não consegui me afeiçoar a nenhum personagem, nem me solidarizar com os problemas da nave. Os detalhes do diário de bordo deixam o texto chato e não acrescentaram pra mim. As cenas que tentaram causar tensão, só me remetiam à Nabucodonosor sendo atacada por vírus. As cenas de “romance” me lembravam “Emanuelle no espaço”. Acho que minhas referências foram responsáveis por meu “não envolvimento “.

Um toque na Alma…

O livro A Melhor História está por vir (Mision Olvido) da autora espanhola María Dueñas, conta em 348 páginas a história de Blanca, que se separa de seu marido e vai viver na Califórnia durante uns meses para organizar um arquivo de um falecido professor. Lá conhece Daniel, um americano que já viveu muitos anos em solo espanhol e se cadou por lá. Os dois se unem para homenagear a memória de André Fontana.

A autora escreve a tristeza dos personagens de uma forma tão doce e nada dramática, que flui muito fácil a leitura. Não gostei da tradução do título, porque parece que a tradutora prefere imaginar que o final em aberto, vai trazer uma história melhor. Acho que autora fez exatamente como queria e eu gostei do final.

Trechos do livro: “Meus planos de futuro, porém, eram muito mais difusos… Eu gostava de línguas, gostava de livros, gostava de viajar. Banalidades indefinidas, em suma, com poucas possibilidades de se materializar imediatamente em um trabalho produtivo e razoavelmente bem remunerado.” ” Pela primeira vez na vida tive consciência de como são frágeis, na realidade, as coisas que julgamos permanentes, da facilidade com que o estável se racha e as realidades podem evaporar com um sopro de ar que entra pela janela.”

Simples e Divertida =D

O livro A Poção Secreta, primeiro livro da série Diário de uma Garota Alquimista da autora americana Amy Alward, conta em 368 páginas a história de Samantha, uma garota que trabalha na loja de ervas de seus avós e pais. No reino onde vive, as pessoas se dividem em: pessoas com habilidades mágicas que são os Talentosos, e pessoas comuns. Algumas das pessoas comuns podem ter algum tipo de conhecimento, como é o caso de Sam, a única da família que pode substituir seu avô para criar novas poções. Também existem os sintéticos, pessoas que acreditam em remédios sintetizados para cura.

A Princesa toma uma poção proibida e para curá-la a família real contrata qualquer pessoa que possa criar outra poção para desfazer a magia. Sam quer participar porque será a unica forma de melhorar a vida de sua família, já que com os sintéticos em moda, eles quase não vendem nada.

Muita magia misturada com tecnologia, em uma fantasia urbana, mas que entra no reino encantado. Vale a pena a leitura!